27°
Máx
13°
Min

A Ocepar e o cooperativismo paranaense

O cooperativismo do Paraná é o mais desenvolvido e atuante do Brasil.

São muitas as medidas adotadas ao longo dos anos que levaram a este desempenho.

Primeiro, a divisão do estado em áreas de ação, cada cooperativa atuando em uma área, o que favoreceu muito o fortalecimento das cooperativas agropecuárias no seu início.

 Segundo, a diversificação dos serviços prestados aos associados, principalmente no cooperativismo agropecuário. Da assistência técnica ao recebimento, armazenagem e comercialização das matérias primas produzidas, evoluíram para o beneficiamento, processamento e diferenciação dos produtos, mediante a agroindustrialização e agregação de valor e, inclusive, promovendo a distribuição dos mesmos aos consumidores.

Terceiro, pela diversificação dos ramos de ação das cooperativas, aumentando fortemente a presença no cooperativismo de crédito e de saúde, e, em menor intensidade em outras áreas como o educacional, de transporte de infraestrutura, de turismo e lazer.

Quarto, a presença da OCEPAR como entidade representativa do sistema, que congrega 220 filiadas. Ela atuou fortemente junto ao executivo federal e estadual e junto ao legislativo, congresso nacional e assembléia legislativa, para conseguir o aperfeiçoamento dos instrumentos econômicos, jurídicos e sociais que normatizam e regulam as atividades do sistema. Outro relevante pilar de ação é a formação e o treinamento continuado dos produtores, colaboradores e líderes cooperativistas, que formam a base de ação do sistema. Também a implantação do sistema de autogestão, onde equipes multidisciplinares analisam o balanço anual de cada cooperativa e informam a própria diretoria e conselho fiscal as possíveis falhas administrativas e gerenciais e as medidas corretivas necessárias, antes que o problema se agrave. Não menos importante foi a implantação do planejamento em longo prazo, onde cada cooperativa e todo o sistema sabem exatamente onde quer chegar, os meios necessários para tal, e as possíveis ameaças e oportunidades à implementação dos objetivos e metas.

Nos últimos 20 anos o Engenheiro Agrônomo João Paulo Koslowski esteve liderando todo este processo, desenvolvendo um trabalho exemplar e reconhecido por todo o sistema e pela sociedade, inclusive planejando e executando com maestria sua própria sucessão, preparando o substituto José Roberto Ricken e os colaboradores mais diretos Robson Mafioletti, Leonardo Boesche e Nelson Costa. Estes, pelo conhecimento e envolvimento no dia a dia da OCEPAR, darão plena continuidade ao trabalho que vinha sendo executado e o dinamizarão ainda mais.

Os resultados não poderiam ser outros. Só no último ano de 2015 o faturamento do sistema aumentou 19,6%, para R$ 60,4 bilhões.  No mesmo ano, para efeito de comparação, o PIB brasileiro regrediu 3,8% e a renda per cápita 4,7%.  As cooperativas, no mesmo ano, foram responsáveis pela geração de 18% do PIB do Paraná e por 56% da recepção de toda a produção agropecuária do Estado. As exportações das cooperativas paranaenses somaram R$ 8,5 bilhões, investiram R$ 2,3 bilhões e recolheram R$ 1,5 bilhão em impostos. Ao todo, congregam 1,3 milhão de cooperados e geram 2,6 milhões de postos de trabalho.

O sistema cooperativo de crédito do Brasil, se considerado no conjunto, SICREDI, UNICREDI, SICOOB e CONFESOL, representa o sexto banco em tamanho e cresceu em média 20% ao ano, nos últimos anos, contra a média de crescimento dos grandes bancos de 16%.  E novamente, como no cooperativismo agropecuário, o de crédito do Paraná é o mais desenvolvido do país.  

Em resumo, planejamento, organização, trabalho eficiente, treinamento e valores de cooperação são os ingredientes da receita de sucesso do sistema, orgulho do Paraná e do Brasil.