22°
Máx
14°
Min

Comissão de Saúde da Câmara visita PA do Morumbi

Visita programada - A Comissão da Saúde da Câmara de vereadores de Foz do Iguaçu, juntamente com representantes do Conselho Municipal de Saúde e do SISMUFI, visita o Pronto Atendimento do Morumbi que será fechado para reforma no dia 3 de maio. Uma determinação judicial obriga o início da reforma do local. A visita acontece nesta segunda-feira (25), às 9h.

Temem colapso - Os vereadores temem que o fechamento temporário provoque um colapso da UPA João Samek. Depois da visita eles tentarão conversar com os representantes do Ministério Público Estadual.

Determinação judicial - A leitura do documento divulgado pela Prefeitura, por si só, já seria suficiente para esclarecer as dúvidas dos vereadores da Comissão. O prédio, parte construído na década de 90, não oferece condições de trabalho adequadas. Isso não é novidade. Muitos conselheiros de saúde e vereadores já andaram pela unidade e conversaram com servidores e com a população que aguardava pelo atendimento.

Interdita ou reforma - Em razão das condições preocupantes e, em alguns setores, precárias, o prazo foi dado pelo Ministério Público e cobrado do Município na Justiça. Portanto, deve ser cumprido. A reforma é inevitável. E como não é possível reformar e manter o atendimento paralelamente, o fechamento temporário também é inevitável. Era isso ou enfrentar um pedido de interdição do local. O que, na prática, resultaria no mesmo transtorno para a população.

Plano de atendimento - O melhor seria, então, que o grupo agendasse uma reunião na secretaria da Saúde para saber se o plano elaborado para garantir o atendimento da população com o reforço das equipes na UPA e nas unidades de saúde do Curitibano e do Morumbi III serão suficientes. É mais prático e pode oferecer melhores resultados em termos de compreensão do problema e das soluções oferecidas.

Esperando a PPP – O Pronto Atendimento do Morumbi fazia parte da proposta de efetivação da parceria público privada na saúde. Fazia...

Mais uma UPA - Além da unidade também seriam transferidos, para um parceiro da iniciativa privada, o Hospital Municipal, a UPA João Samek e o SAMU. Como contrapartida o vencedor do certame deveria, também, construir uma UPA na região do Porto Meira.

PPP suspensa - Após a coletiva no Ministério Público Federal, onde foram denunciadas  supostas irregularidades na Parceria Público Privada na Saúde, a Prefeitura de Foz do Iguaçu publicou nota nas redes sociais informando que o procedimento licitatório está suspenso e aguarda parecer jurídico.

Ação Preventiva I -  A procuradora da República Daniella Caselani Sitta, disse à imprensa que investigações sobre a PPP teriam revelado, em tese, a intenção de se direcionar a contratação. A procuradora destacou, ainda, entre outros pontos, que o  Município teria deixado de realizar estudos técnicos necessários e obrigatórios para a contratação de uma PPP. Por isso da Ação Preventiva proposta contra o processo.

MPF e MPE –  A ação preventiva tem também a participação do promotor Marcos Cristiano de Andrade, do Ministério Público Estadual.

Nimbostratus - Fase complicada para a Administração Municipal de Foz do Iguaçu. Operação da Polícia Federal e Controladoria Geral da União. Ações do Ministério Público Federal e do Ministério Público Estadual.      

Museu Santos Dumont - O Gresfi, espaço que comportou o primeiro aeroporto de Foz do Iguaçu, pode ser transformado em um museu dedicado a história da cidade e à memória da passagem de Santos Dumont pela região em 1916. O projeto inclui replicas de aviões, entre elas do 14 Bis, e um espaço gastronômico. O projeto é uma parceria da Itaipu, Fundo Iguaçu, Iguassu Convention Bureau e o Clube Gresfi e foi lançado no sábado (23). Dia do centenário da visita do aviador e inventor.

Museu automobilístico – E uma audiência pública marcada para está segunda-feira (25), às 10h, na Secretaria de Turismo vai discutir a proposta de concessão do Centro Municipal de Turismo para a instalação de um Museu Automobilístico. O espaço tem nove mil m2 de área total e três mil m2 de área construída.

Collor votando - Deposto da presidência em 1992, Fernando Collor agora ele está do outro lado da mesa. Como os senadores não precisam seguir orientação partidária, assistir Collor votando no processo de impeachment  será um programa interessante.   

Acusação - Collor foi acusado por uma CPI de ter usado, em proveito próprio, um esquema de captação ilegal de dinheiro coordenado por seu ex-tesoureiro de campanha Paulo César Farias. Na mesma época o Ministério Público Federal também o acusou de favorecer empresas de publicidade em troca de propina. Collor foi condenado e apeou do poder em pouquíssimo tempo. Cerca de três meses.

Inocentado – Em 24 de abril de 2014 o Supremo Tribunal Federal (STF) absolveu Fernando Collor do crime de desvio de dinheiro público por falta de provas. Os crimes de falsidade ideológica e corrupção passiva prescreveram.

Outros casos - Além de Collor de Mello (1992) o histórico recente do impeachment de presidentes da América Latina, inclui a deposição do ex-presidente do Equador Abdalá Bucaram (1997), do ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya (2009) e do ex-presidente paraguaio, Fernando Lugo (2012).