26°
Máx
19°
Min

Hospital Municipal: sob nova direção

Comissão nomeada - O governador Beto Richa nomeou os sete membros da comissão administrativa que vai conduzir o processo de intervenção no Hospital Municipal. São cinco titulares e dois suplentes indicados dentro do quadro do Governo do Estado e da Prefeitura de Foz.

 Nomes conhecidos - A equipe será coordenada pelo diretor-técnico da Fundação Estatal de Atenção à Saúde do Paraná, Moisés Warszawiak. A comissão é composta, ainda, por Luiz Gustavo Lorga, Elenir Moisés Bueno, Emy Fukuda e Luciana Winter, servidora municipal de carreira e atual coordenadora de enfermagem do Hospital Municipal.

Controle social - A participação de um funcionário da prefeitura foi um pedido do Conselho Municipal de Saúde (Comus). O Comus já anunciou que vai acompanhar, bem de perto, os trabalhos e decisões da comissão.

 Apenas gestão - Pela enésima vez o secretário de Estado da Saúde, Michele Caputto Neto, repetiu que o Estado não tem interesse de assumir o patrimônio nem os funcionários do hospital. O único objetivo, atesta, é a gestão.

Fatura apresentada - O secretário municipal da Saúde de Foz do Iguaçu, André di Buriasco, apresentou ao Governo do Paraná a fatura das despesas do Hospital Municipal. A lista de prioridades inclui o pagamento dos funcionários e a aquisição de insumos e medicamentos. Saldar o 13º salário dos colaboradores, por exemplo, exige R$ 600 mil.

Mais positivo - Diferente do impacto sentido logo após a leitura do relatório do ministro Herman Benjamin, que manteve a impugnação da sua candidatura, o ex-prefeito Paulo Mac Donald Ghisi volta a demonstrar confiança. É mantida a esperança de que a situação seja revertida no Plenário.

Medida extemporânea - Enquanto é mantido no limbo eleitoral, Paulo Mac Donald avalia os atos finais da atual administração. Quanto a aprovação do REFIS destacou que seria melhor deixar para a próxima gestão discutir o projeto.

Hospital Municipal - Caso Paulo Mac Donald seja confirmado prefeito, já antecipou que vai apostar no sistema de Gestão do Hospital Municipal através de uma Organização Social de Saúde (OSS).

Prêmio reduzido - A apólice de seguro de servidores municipais é tema de debate no plenário da Câmara. Como alguns segurados não estão entendendo o motivo da redução do prêmio com a manutenção do valor da mensalidade, recorreram ao Legislativo.

Segunda opinião – O governo do Paraná e a empresa inglesa British Medical Journal (BMJ), responsável por um sistema inovador de segunda opinião na área da saúde, firmaram parceria. Em dois anos serão investidos R$ 1,7 milhão numa iniciativa que agrega tecnologia e conhecimento científico ao atendimento na rede pública.

Ferramenta digital - A principal função do sistema é tirar dúvidas dos profissionais e auxiliá-los na tomada de decisão frente aos casos atendidos no dia a dia. A prioridade será a área de atenção primária dos municípios e nos hospitais da rede própria estadual.

Zona fronteiriça - Forças municipais, estaduais e federais de segurança que integram o Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira encerraram o ano com saldo considerado positivo. Entre os pontos destacados estão as operações integradas e a criação da Companhia da PM de Atendimento ao Turista.

Faixa de segurança - Com 139 municípios, a região fronteiriça abriga 22,7% do total da população do Estado. A condição faz do Paraná o segundo estado brasileiro com o maior número de municípios e população situados na faixa de fronteira.

Picada letal - O novo boletim técnico divulgado da Secretaria estadual da Saúde confirma, desde agosto, 217 casos de dengue. Desses, 27 são importados e em outros 190 casos a infecção ocorreu dentro do próprio Estado. O boletim também confirma cinco casos de chikungunya no Paraná, sendo um autóctone.

Dia “D” - O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) deflagra nesta sexta-feira (2) o Dia ‘D’ de Combate à Dengue. O trabalho vai envolver 120 funcionários que farão as visitas domiciliares, fiscalizando os locais e orientando os moradores na limpeza e remoção de objetos que acumulem água.

Dengue preocupa – Em 2106 a divisão de Vigilância Epidemiológica registrou 6.531 casos confirmados de dengue e 14 óbitos em Foz do Iguaçu. No último levantamento a cidade aparece em estado de alerta.

Ameaçam debandar - Os procuradores da força-tarefa da Lava-Jato criticaram o texto do projeto das dez medidas de combate à corrupção aprovado pela Câmara. Para os procuradores as alterações enfraquecem o combate à corrupção.

Vetar ou vetar - Os integrantes da força-tarefa colocaram o presidente Michel Temer contra a parede. Caso o texto seja sancionado ameaçam renunciar a Lava-Jato. Na outra ponta o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, subiu o tom. Cobrou respeito às prerrogativas constitucionais da Câmara.  

Ensino médio - O parecer do relator da comissão especial do Senado que analisou a medida provisória da reforma do ensino médio foi aprovado por 16 votos favoráveis e cinco contrários. A proposta será votada agora nos plenários da Câmara e do Senado.

Delação recompensada - A previsão de que cidadãos pudessem denunciar crimes de corrupção, podendo receber até recompensa, caso a informação se confirmasse, foi retirada do texto das 10 medidas contra a corrupção.

Fim da reeleição - Faltou quorum na sessão que debateria, no Senado, o fim da reeleição para cargos do Poder Executivo. A discussão da matéria deverá ser retomada na próxima sessão deliberativa. A proposta também cria regras temporárias para vigorar no período de transição ao novo modelo.

Mandato tampão - A PEC estabelece que o presidente da República, governadores e prefeitos ficarão inelegíveis para os mesmos cargos no período imediatamente seguinte, com exceção dos governadores eleitos em 2014 e prefeitos eleitos em 2016 que ainda não foram reeleitos.

Fase inquisitória - O Senado aprovou o projeto que regulamenta a prática das audiências de custódia. O projeto estabelece, entre outras medidas, que o preso tem o direito de ser assistido por defensor, público ou particular, durante seu interrogatório policial.

Conversa reservada - Uma das emendas aprovadas garante que, antes da apresentação do preso ao juiz, será assegurado o atendimento prévio do preso por advogado ou defensor público, em local reservado, visando a garantia da confidencialidade.

 Sem constrangimento - A proposta veda a presença, durante a audiência de custódia, dos agentes policiais responsáveis pela prisão ou pela investigação. A intenção é evitar que o preso seja intimidado ou constrangido no momento de seu depoimento acerca das circunstâncias da prisão.

Fiança dispensada - O texto permite ao juiz dispensar o pagamento da fiança, quando for o caso, se verificar as poucas condições financeiras do preso.

Prisões injustas - A senadora Simone Tebet, relatora do projeto, alega que o Brasil tem hoje cerca de 620 mil presos e que, pelo menos, 250 mil pessoas estariam na cadeia sem ter ao menos uma audiência com um juiz.

Economia bilionária - Segundo a senadora com a regulamentação da audiência de custódia será possível evitar que prisões injustas provoquem custos desnecessários de R$ 3 bilhões aos cofres públicos.  A matéria agora segue para a análise da Câmara dos Deputados.

Piscina plástica - O novo vilão para o abastecimento das cidades do litoral durante o verão é a inocente piscina plástica. A troca constante da água da “piscininha” pode, além de elevar o custo da fatura, provocar falta de água nos períodos de maior concentração de pessoas.