23°
Máx
12°
Min

Impasse entre os membros da Comissão Processante na Câmara de Foz

Reunião agendada - A Comissão Processante, que investiga o prefeito afastado Reni Pereira, tem reunião marcada para sexta-feira (14). Na primeira tentativa de reunir a comissão, com o retorno do vereador Zé Carlos que preside a Comissão, o vereador Dilto Vitorassi teria se recusado a participar. Ele e Zé Carlos são desafetos declarados.

Oitiva de testemunhas - Os advogados do prefeito afastado Reni Pereira entregaram a defesa e listaram dez testemunhas que deverão ser ouvidas pela comissão.

Presença controlada - O Observatório Social publicou um relatório de atividades. Entre maio e agosto os únicos parlamentares 100% nas sessões foram Dilto Vitorassi e Nilton Bobato com 45 presenças. O vereador Paulo Rocha participou de 37 sessões no período. Foi o mais faltoso.

Asfalto deteriorado - Das 277 indicações feitas pelos vereadores, no período acompanhado, 148 tiveram relação com buracos e as péssimas condições do asfalto e do calçamento poliédrico nos bairros e região central da cidade.

Limbo administrativo - O processo de intervenção no Hospital Municipal termina no dia 31 de dezembro de 2016. Caso não haja um acordo para garantir a transição, a Fundação e o Hospital poderão amanhecer acéfalos no dia 1º de janeiro de 2017.

Sistema inoperante - Oito em dez câmeras de videomonitoramento de Foz do Iguaçu não estão funcionando adequadamente. Como não há recurso para adquirir novos equipamentos a Prefeitura prepara um processo licitatório para recondicionar as câmeras usadas.

Problema antigo - As 120 câmeras foram adquiridas em 2010 por meio do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) do Ministério da Justiça. Desde a implantação, o sistema teve problemas na transmissão das imagens, que por segurança não utiliza cabos.

Meramente decorativo - O governo Federal investiu R$ 5,1 milhões no equipamento. A responsabilidade da manutenção do sistema era e é do município. Porém, aos poucos os painéis foram apagando na central montada na sede da Guarda Municipal sem que nada fosse feito para retomar a fiscalização monitorada prevista no convênio.

Nova secretária - Com a saída do secretário João Pereira dos Santos, que pediu exoneração por motivos pessoais, foi nomeada a servidora de carreira, Ednéia Cassiana Riquelme, para ocupar a secretaria da Administração. Ela contará com a assessoria do servidor Elizeu Liberado.

Assessoria ilustre - Altamente qualificado e experiente, Elizeu Liberato, que é vereador eleito, vai emprestar, mais uma vez, seu conhecimento a um recém nomeado secretário de Administração.

Operação rescaldo - Acompanhando a criatividade para batizar operações, a secretaria de Obras de Foz do Iguaçu decidiu deflagrar a “Operação Rescaldo”. A proposta é a de tentar garantir a continuidade das obras iniciadas. Prioridade será dada as obras do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

Rescaldo da “Pecúlio” - A operação Rescaldo tenta recuperar o estrago provocado pela operação Pecúlio que apontou supostos desvios de verba federal. Obras estão paralisadas ou sendo tocadas em ritmo quase imperceptível de tão lento. A situação provoca transtornos significativos para a população. 

Sem volta - A Secretaria da Saúde ensaia o fechamento do Pronto Atendimento do Morumbi. A situação é caótica e já coloca em risco a segurança dos trabalhadores e dos usuários. Existem denúncias de vazamento de gás e de radiação do aparelho de raios-X.  O local será periciado antes de anunciar uma decisão definitiva.

Nota contra - O Conselho Municipal de saúde (Comus) divulgou nota contrária ao fechamento da unidade.

Compra cancelada - O Observatório Social questionou a aquisição, pela Prefeitura de Foz do Iguaçu, de alguns títulos de livros. A prefeitura despenderia R$ 285 mil na compra de publicações com cunho religioso, auto-ajuda e romance, entre outros.

Títulos questionados -  O que as mulheres querem?; Ansiedade como lidar com o mal do século; Como controlar a mente para ficar livre do stress e  Tapas – 80 receitas clássicas e contemporâneas, estão entre os questionados 

Edital cancelado - Como os livros seriam distribuídos aos alunos e professores durante a Feira Internacional do Livro, e o evento foi cancelado, a compra perdeu o objeto.

Pagando a conta - Condenados monitorados eletronicamente poderão arcar com despesas referentes à manutenção desses equipamentos. A matéria está em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado.