22°
Máx
14°
Min

No Paraná 17 “eleitos”, que tiveram registros indeferidos, aguardam decisão do TSE

No Paraná 17 “eleitos”, que tiveram registros indeferidos, aguardam decisão do TSE

Registro indeferido -  Além de Foz do Iguaçu, outros 144 municípios brasileiros enfrentam o mesmo impasse: Elegeram prefeitos com candidatura indeferida. No Paraná, 17 candidatos que disputaram a eleição nessa situação venceram a eleição. Entre eles Paulo Mac Donald Ghisi.

Votos nulos - Segundo a legislação eleitoral, os candidatos com registros indeferidos e que apresentaram recurso puderam realizar todos os atos de campanha e tiveram o nome e número nas urnas eletrônicas. Porém, os votos só podem ser computados se a Justiça Eleitoral deferir o registro da candidatura.

Julgamento prioritário - O Tribunal Superior Eleitoral dará prioridade aos casos de indeferimento de registro que possam alterar o resultado das eleições para prefeito. Até quarta-feira (5) apenas cinco recursos estavam no Tribunal Superior Eleitoral.

Contas eleitorais - A análise do cruzamento de informações entre prestações de contas relativas ao primeiro turno das eleições, feita pelo Tribunal Superior Eleitoral, identificou 200.011 casos com possíveis indícios de irregularidades. O total se aproxima dos R$ 659,4 milhões.

Bolsa família - Entre os indícios levantados pelos técnicos destacou-se a identificação de 37.888 doadores inscritos no Programa Bolsa Família que doaram uma bagatela considerável que se aproxima de R$ 36,9 milhões. Além disso, uma pessoa que recebe Bolsa Família doou R$ 1,2 milhão em bens e serviços estimáveis em dinheiro.

Salário desemprego - O desemprego não impediu 55.670 doadores de desembolsaram R$ 84,3 milhões para as campanhas. Outros 24.646 doadores, cuja renda conhecida é incompatível com o valor doado, destinaram R$ 207,1 milhões para as campanhas.

Doação milionária - Um doador, cuja última renda conhecida é de 2013, realizou doação estimada de R$ 1 milhão e 35 eleitores efetuaram doações acima de R$ 300 mil. Para piorar, o número de doadores de campanha falecidos saltou de 143 para 250.

Doação indireta - O cruzamento do TSE revela ainda 43.382 casos com concentração de doadores em uma mesma empresa. O grupo irrigou as campanhas com R$ 90,8 milhões.

Recursos públicos – O grupo de sócios de empresas que recebem recursos da administração pública reúne 14.510 doadores. O grupo disponibilizou pouco mais de R$ 187,2 milhões para os candidatos e partidos.

E ainda: Professor universitário doando R$ 300 mil. Sócio de um candidato que doou recursos próprios de R$ 3 milhões. Empresa, cujo sócio é beneficiário do Programa Bolsa Família, prestou serviço de R$ 1,75 milhão.

Continua presidente - A assessoria do vereador Zé Carlos, que havia protocolado a saída dele da comissão processante, voltou atrás. O pedido foi retirado. A expectativa é de que o vereador, que está preso, retorne brevemente às atividades na Câmara. Enquanto isso, os trabalhos da comissão seguem suspensos.  

Budel liberado - O ex-secretário de Obras e superintendente do Foztrans, Carlos Juliano Budel, foi solto pela Justiça Federal no final da tarde de quarta-feira (5). Budel estava recolhido na Penitenciária Estadual. O ex-secretário foi preso no dia 3 de maio durante a segunda fase da Operação Pecúlio.

Selo do Inmetro - O Instituto de Pesos e Medidas do Paraná fiscalizou mais de 113 mil itens entre brinquedos, bicicletas de uso infantil, carrinhos para crianças, berços infantis e cadeirinhas infantis para veículos. Os fiscais apreenderam 860 itens, que foram reprovados. As empresas que comercializarem os brinquedos de maneira inadequada são autuadas e podem receber multa que varia de R$ 100 a R$ 1,5 milhão.

Obras paralisadas - Um desafio para os prefeitos eleitos: Concluir as 1.958 obras paralisadas nos municípios paranaenses. O custo das obras municipais paradas é de R$ 1,73 bilhão. A informação é do Tribunal de Contas do Paraná.      

Judicialização reduzida - O Conselho Nacional do Ministério Público receberá representantes do Conselho Federal de Medicina para discutir a crescente judialização da saúde e determinar qual contribuição efetiva a classe médica pode oferecer para a reversão do atual quadro.