24°
Máx
17°
Min

Novo horário e recesso na Câmara Municipal

Novo velho horário – Com a explicação de que a decisão vai gerar economia, em agosto as sessões plenárias da Câmara Municipal de Foz do Iguaçu retornam ao antigo horário: 9h. A terceira tentativa de mudança das sessões para o período da tarde, não emplacou.

Volta à telinha - Com o retorno ao antigo horário volta também a transmissão das sessões pela TV Câmara. No período da manhã o canal vinha apresentando sessões gravadas. O espaço, nas emissoras de TV a cabo, é  compartilhado com a Assembleia Legislativa e a transmissão no período vespertino é destinada aos deputados estaduais.  

Recesso branco -  Em julho as plenárias na Câmara Municipal serão antecipadas devido ao recesso parlamentar. As sessões acontecerão na segunda-feira (11), quarta-feira (13) e sexta-feira (15). O recesso parlamentar terá início no próximo dia 17 e vai até o dia 31 de julho. Contudo, os trabalhos internos da Câmara permanecem ativos.

Cadê o projeto? A curiosidade aguçou o vereador Luiz Queiroga (DEM) que pediu informações sobre o projeto que oferece incentivo para a inovação e à pesquisa científica e tecnológica. Em 2014 o projeto foi enviado a Câmara e depois retirado sem justificativa. Lá se vão quase dois anos sem notícia da proposta que repousa em alguma gaveta da Administração.

Incentivo à tecnologia - A proposta permitiria o incentivo para a instalação de empreendimentos destinados à pesquisa científica e tecnológica somando com o Parque Tecnológico de Itaipu e garantindo o atendimento das demandas locais por softwares.  

Folha dos servidores - A Caixa Econômica Federal (CEF) fará a gestão da folha de pagamento da prefeitura de Foz do Iguaçu. A instituição federal substitui o Banco Santander. A negociação envolveu a cifra de R$ 10 milhões. A informação é do Procurador-geral da Prefeitura de Foz, o advogado Carlos Eduardo Marin.

Esperando ansiosamente - A direção da Fundação Municipal de Saúde, aguarda para esta segunda-feira (11), a confirmação da possibilidade do repasse de uma subvenção mensal pelo governo do Estado para o Hospital Municipal.

Receita de paciência - Os médicos que atendem no Hospital Municipal de Foz do Iguaçu receberam, na sexta-feira (8), parte dos valores devidos pela Fundação Municipal de Saúde. A fatura paga é do mês de abril.    

Sem convênio - A ausência da fiscalização de taxistas e mototaxistas nas fronteiras tem uma explicação: A falta de convênio entre o Município e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Sem o documento o Foztrans não tem autorização para fiscalizar nas aduanas.

Fiscalização reforçada - Com a chegada do período de férias, a fiscalização do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER) mira nos veículos de transporte de passageiros de turismo e fretamento. O foco principal são as rodovias de acesso a Foz do Iguaçu. No ano passado, foram emitidas 120 autuações. As sanções vão desde a multa até a apreensão do veículo.

Postos de trabalho - Os prédios da antiga rede de supermercados Max serão ocupados pelo Grupo Ítalo de Francisco Beltrão. O grupo já comprou dois espaços e está em tratativas para adquirir outro. A ideia é que sejam instaladas três lojas do Grupo. A promessa é da geração de 350 empregos diretos em 60 dias. 

Missões cenográficas - A segunda fase de obras do Complexo Turístico Marco das Américas, no Marco das Três Fronteiras, inclui a instalação cenográfica que celebra a arquitetura das missões jesuíticas. A estrutura irá agregar ainda mais valor cultural ao destino turístico.

Sob o luar - O Bosque Guarani foi o lugar escolhido para as primeiras edições da feira noturna. A experiência não é nova. Durou pouco tempo na primeira tentativa.

Para a eternidade – As cinzas do Coronel Ronaldo do Vale Brito, falecido em 2015, foram lançadas na área do 34º Batalhão de Infantaria Mecanizado. Os familiares cumpriram o último desejo do militar que comandou o 34º Batalhão início dos anos 90.      

Defensores mobilizados -  Em estado de mobilização nacional, até quarta-feira (13), os Defensores Públicos protestam contra a retirada da pauta da CCJ do Senado do projeto sobre o subsídio do Defensor Público-Geral Federal.

Tratamento discriminatório - Para a Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais (ANADEF) a categoria recebe tratamento discriminatório em comparação às demais carreiras que compõem o Sistema de Justiça.

Suspensão parcial - Durante o período o atendimento será apenas das demandas urgentes. Os defensores decidiram também pela suspensão imediata da realização de plantões fora do horário de expediente, feriados e fim de semana.

Só a metade - Segundo a ANADEF a carreira possui apenas a metade dos cargos providos. São 620 membros ocupando os 1.200 cargos existentes. Segundo a associação, os defensores em atividade prestam assistência jurídica integral e gratuita a 120 milhões de pessoas.