21°
Máx
17°
Min

Queda na arrecadação faz Prefeitura de Foz cortar varrição manual

Limpeza de calçadas – A varrição manual sofreu cortes. A prefeitura não varre mais as calçadas. A varrição mecanizada das ruas será ampliada. Portanto, é bom a população jogar menos lixo nas ruas. Alias, melhor seria se não jogasse.

Apertando o cinto - A explicação é que com a queda da arrecadação a Prefeitura precisa reduzir despesas. Cortou o serviço e devolveu para o cidadão a responsabilidade de cuidar da limpeza da própria calçada. Juram de pé junto que outros serviços de coleta não foram atingidos.

Galerias entupidas – O certo é que a redução de serviços públicos, em maior ou menor escala, atinge o cidadão. A quantidade de lixo atirado nas ruas compromete a rede de galerias pluviais. Basta chover um pouco mais que o normal para que os efeitos sejam sentidos pela população. 

Dedicação exclusiva - O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) julgou ilegal o pagamento de gratificação por tempo integral e dedicação exclusiva (Tide) a um grupo de servidores da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). O benefício é pago desde 2012.

Projetos e pesquisas -  A gratificação mensal fixada foi de 55% sobre o salário básico dos agentes universitários efetivos, com a condição de que tivessem dedicação exclusiva de trabalho e estivessem executando projetos de pesquisa.

Impacto orçamentário - Na avaliação do TCE, a Tide deveria ter sido criada por decreto do governo estadual e não por resolução interna da Unioeste. Em 30 dias, a instituição deverá comprovar ao órgão de controle a interrupção do pagamento do benefício. Da decisão cabe recurso.

Outros casos – Segundo o TCE, apenas no primeiro semestre de 2015, o gasto da Unioeste com o Plano de Desenvolvimento dos Agentes Universitários (PDA) somou cerca de R$ 9,36 milhões. O Pleno do Tribunal determina que seja verificado, ainda, se o pagamento julgado ilegal também ocorre em outras universidades estaduais do Paraná.

Interrupção das atividades - A Unioeste, Campus de Foz, poderá ter o calendário acadêmico de 2016 suspenso a partir desta quarta-feira (20). A reclamação está relacionada à falta de recursos para as atividades básicas da instituição. Com os cortes no orçamento, a falta de recursos estaria tornando inviável a manutenção das atividades. A explicação é do diretor Fernando José Martins

Vandalismo – O centro de exames auditivos do Município foi arrombado. Os invasores levaram um dos principais equipamentos da unidade. Das duas uma: não tem alarme ou o dispositivo não disparou. E, ainda, vândalos tentaram arrombar a porta da sala da Secretaria de Esportes na pista de caminhada da Avenida Paraná. 

Transparência - Uma proposta está pronta para ser analisada pelos vereadores de Foz do Iguaçu. O projeto obriga a divulgação das listas de espera para vagas nos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) na internet. Pela proposição as listas deverão ser classificadas por CMEI e conter o nome do responsável pelos menores a quem se destinam as vagas e a posição do responsável na fila de espera.

Mais médicos - A Prefeitura de Foz do Iguaçu publicou edital de chamamento para todos os interessados no credenciamento de pessoas jurídicas de assistência à saúde, para a realização de plantões médicos e consultas médicas especializadas, de forma complementar a Rede Municipal de Saúde. O prazo estará aberto a partir do dia 20 de maio de 2016.

Grupo de Elite - O Serviço de Operações Especiais do Departamento de Execução Penal do Paraná (Depen) vai atuar na região de Cascavel. O grupo de elite promove a primeira intervenção em situações de crise no sistema prisional. Serão selecionados 25 agentes penitenciários para atuar nas unidades penais e cadeias públicas da região de Cascavel, Francisco Beltrão e Foz do Iguaçu. O grupo já está ativo em Curitiba, Maringá e Londrina.

Visita institucional - O presidente da Câmara Municipal Fernando Duso (PT) esteve ontem (18) na sede do GAECO. Foi uma visita institucional. O presidente da Câmara não faz parte da relação de vereadores chamados pelo órgão como “declarantes” em investigação sigilosa. Duso foi ao GAECO para reforçar a disposição permanente de cooperação do Legislativo com o Ministério Público.