22°
Máx
17°
Min

Reta final das campanhas acirra disputa

Cenário político 1 – O candidato Túlio Bandeira está de volta à campanha. Cumprido o período de prisão provisória a Justiça do Mato Grosso negou o pedido de prisão preventiva. Retornou afirmando que sua prisão foi “midiática” e dizendo ser a “vítima” no processo. Foi apenas um aperitivo do que deve dizer durante uma coletiva marcada para esta segunda-feira (26). 

Cenário político 2 – Os advogados do candidato Paulo Mac Donald Ghisi apresentaram embargos de declaração à decisão do Tribunal Regional Eleitoral que manteve, por unanimidade, a impugnação da candidatura do ex-prefeito. O recurso será julgado nesta segunda-feira (26) no TRE.

Cenário político 3 – Até o domingo as prestações de contas dos candidatos a prefeito de Foz do Iguaçu apresentavam arrecadação de R$ 387.723,59 e as faturas relativas a despesas somaram R$ 438.478,57.    

Cenário política 4 – O sistema de divulgação de candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral ainda registra 22 candidaturas indeferidas com recurso, 11 indeferimentos, oito renuncias e um cancelamento.

Voto e voz - O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz) lançou a campanha “O seu voto é a sua voz”, pela valorização do voto consciente e a fiscalização cidadã da eleição. A ação reúne materiais informativos veiculados com o apoio dos órgãos de imprensa e nas redes sociais.

Corrupção eleitoral - O objetivo é chamar a atenção do eleitor para a importância de permanecer atento à atuação e ao histórico dos candidatos denunciando aqueles que pretendam comprar votos, oferecer vantagens em troca de apoio político ou cometam outras práticas consideradas crime eleitoral.

Parceria institucional - As peças da campanha “O seu voto é a sua voz” foram produzidas pela equipe da Divisão de Imagem Institucional da Itaipu Binacional. A  ação tem a parceria institucional do Tribunal Regional Eleitoral e da OAB do Paraná, e o apoio dos meios de comunicação locais e regionais.

Pardal delator – Em todo o país, a Justiça Eleitoral já recebeu 32.070 denúncias de irregularidades durante a campanha eleitoral das Eleições 2016. O destaque fica por conta do aplicativo “Pardal” utilizado pelos eleitores no período entre 18 de agosto e 25 de setembro.

Conta-suja - O Ministério Público Federal (MPF) gerou 65.268 relatórios com indicativos de irregularidades na arrecadação de recursos de campanha. O número representa 13% do total de candidatos em todo o Brasil.

Até mortos - Entre as irregularidades encontradas estão doadores inscritos em programas sociais do governo e como desempregados no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Além disso, foram identificadas doações de mortos, com indicativo de lavagem de dinheiro em campanha.

Doação camuflada - Sócios, diretores e responsáveis por empresas e organizações recebedoras de recursos públicos estão na mira dos investigadores. A doação camuflada utilizando funcionários como doadores é outro foco.

Dificuldades financeiras – O governo do Estado anunciou o repasse de R$ 12 milhões para apoiar o Hospital Municipal de Foz do Iguaçu. São recursos extras do tesouro estadual. Até o final do ano, pelo menos R$ 5,5 mil serão destinados emergencialmente.

Sob intervenção - Os incentivos são referentes à estratégia de ampliação dos serviços de média e alta complexidade, ao programa estadual Saúde do Viajante e à lei estadual que permite o apoio do Governo do Estado aos hospitais sob intervenção.

Mão amiga - Desde novembro do ano passado, pelo menos R$ 19 milhões já foram aplicados pelo governo estadual em socorro à instituição.

Em uso - Os dois equipamentos oftalmológicos devolvidos ao Hospital Municipal começam a ser utilizados no Centro de Especialidades Médicas ainda nesta semana. A Polícia Civil segue investigando o paradeiro dos outros seis aparelhos. Os equipamentos foram repassados ao hospital  pela Receita Federal. E, pelo menos na rede pública, nunca foram utilizados.

Carta-compromisso - A Associação dos Empreendedores Individuais (AEIFI) entregou carta-compromisso aos candidatos a prefeito. Entre os pedidos esta a concessão precária de alvarás de localização para empreendedores individuais que atuam em áreas não regularizadas; regularização da situação dos empreendedores que atuam nas Feiras da Amizade e do Iguaçu, nos terminais do transporte coletivo TTU Centro e Vila Portes; e apoio e fortalecimento ao Banco do Empreendedor.

Raiva animal - A equipe de Educação em Saúde, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), realiza a partir desta segunda-feira (26), a Semana Municipal de Prevenção a Raiva Animal. O último caso de raiva canina registrado em Foz foi em 2005, mas o risco permanece. Só esse ano, foram encontrados oito morcegos contaminados.

Disciplinas mantidas - A mudança em um dos artigos do texto previamente distribuído pelo Ministério da Educação, quando comparado ao texto efetivamente publicado na medida provisória, gerou toda a polêmica a respeito das mudanças no Ensino Médio. O governo tratou de explicar que não está decretado o fim de nenhum conteúdo, de nenhuma disciplina.

Notório saber – A proposta abre a possibilidade de que "profissionais de notório saber" sejam contratados para dar aula de formação técnica e profissional.

Tempo integral - O governo já anunciou investimento de R$ 1,5 bilhão para que cerca de 500 mil alunos estejam matriculados em tempo integral até o fim de 2018. Câmara e Senado têm até 120 dias para analisar e votar a MP.

Vozes destoantes - Depois do caso envolvendo as aposentadorias, as negociações entre patrões e empregados, a opinião sobre o projeto relacionado ao caixa dois e, agora, a MP relacionada às disciplinas do Ensino Médio, definitivamente, fica comprovado que o governo Temer necessita, urgentemente, de um porta-voz.

Conter abusos - As ligações e mensagens de cobrança podem ser limitadas e as empresas que extrapolarem poderão ser multadas se telefonarem para inadimplentes fora do horário comercial, fora do domicílio do consumidor, e com números que não possam ser identificados.

Encontro de contas - O valor da multa para as empresas que “constrangem” o cidadão inadimplente pode ser o mesmo da conta não paga e pode ser duplicado caso a empresa seja reincidente.

Nova ligação - A proposta proíbe, ainda, que o devedor seja cobrado mais de uma vez por dia. Elas só poderão telefonar ou encaminhar novas mensagens 72 horas após a primeira cobrança.