23°
Máx
12°
Min

“Secretaria da Saúde e Hospital Municipal não podem ser tratados como ilhas”, diz secretária

Requisições acumuladas - A nova secretária da Saúde Patrícia Foster Ruiz, reúne a imprensa na manhã de segunda-feira (5) no Hospital Municipal.  A secretária deve revelar a existência de pelo menos 10 requisições do Ministério Público Estadual, Ministério Público Federal e Defensoria Pública, sem resposta desde abril.

Ações integradas - A intenção da nova secretária é integrar alguns setores da Secretaria da Saúde com o Hospital Municipal. Para elas são estruturas interdependentes que não podem ser tratadas como “ilhas”.     

Fila de espera - Serão apresentadas, ainda, outras propostas surgidas após negociações com o governo do Estado para fortalecer as consultas especializadas e eletivas que estão acumuladas desde 2014.

Sem conflitos - A nova secretária quer demonstrar o que pode ser realizado nos próximos quatro meses. Lembrar que existe uma população no meio dos conflitos ideológicos e políticos. Vai reforçar que até a próxima equipe assumir, além da parte legal e administrativa, existe o cidadão que exige soluções.

Menos traumatizante - Um armistício será proposto ao Conselho Municipal de Saúde que tem o dever de fiscalizar e de propor sugestões. Será defendida a necessidade de união para fazer o que é possível fazer e assim garantir que a transição administrativa, após a eleição, seja o menos traumatizante possível.     

Intervenção prorrogada - Para dar prosseguimento ao saneamento administrativo, regularização, adequação, organização e reestruturação da Fundação Municipal de Saúde e do Hospital Municipal, a vice-prefeita Ivone Barofaldi prorrogou o período de intervenção na Fundação e a requisição administrativa do Hospital até 31 de dezembro de 2016. É a segunda prorrogação desde o início da intervenção.

Secretária mantida - A Secretária da Saúde, Patrícia Foster Ruiz, foi mantida como interventora na Fundação. Integram a comissão os servidores Aparecido da Silva Dantas, José Borges Bomfim Filho, Toríbio Ramão Silveira e Vitor Hugo Nachtygal.

Doação de órgãos - O secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto, homenageou alguns protagonistas da história da doação e transplante de órgãos no Paraná. O Hospital Municipal de Foz do Iguaçu foi homenageado por ter alcançado o maior índice de doações na área de abrangência da Organização de Procura de Órgãos de Cascavel, e o segundo maior índice em notificações no período de janeiro de 2011 a junho de 2016.

Pouca procura - Não foi a procura esperada e, por isso, o governo do Estado decidiu prorrogar, até o dia 24 de setembro, a campanha de vacinação nos 30 municípios prioritários do Paraná. Em Foz do Iguaçu apenas 14% do público-alvo foi vacinado.

Aguardando comunicado - Até a manhã de sábado a mesa diretora da Câmara Municipal não havia sido comunicada da prisão do vereador Zé Carlos, preso na sexta-feira (2) em cumprimento a mandado expedido pelo Tribunal de Justiça do Paraná. Somente após ser oficiado o Legislativo adotará as medidas cabíveis com relação ao futuro do vereador. Entre outras comissões, Zé Carlos é presidente da comissão processante que afastou o prefeito Reni Pereira.

Primeira instância - O candidato Paulo Mac Donad Ghisi teve seu pedido de registro de candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral de Foz do Iguaçu. Mac Donald utilizou a rede social para afirmar que vai recorrer e dizer-se injustiçado.

Rotina mantida - O candidato Paulo Mac Donald não mudou a rotina. Escudado pela legislação, manteve as atividades de campanha. O candidato já adiantou que participará de todos os debates e entrevistas programadas pelos meios de comunicação.

Decisão esperada - Para a assessoria do candidato, o indeferimento em primeira instância já era esperado. Os advogados da coligação preparam recurso no Tribunal Regional Eleitoral.

Sem cadastro - O pedido de registro de candidatura de Carlos Osório a vice-prefeito da coligação “Foz Para Todos”, também foi indeferido em razão da ausência de filiação partidária. A coligação alega erro no sistema e que Carlos Osório é filiado há mais de 15 anos.

Pedido familiar - O vereador Hermógenes de Oliveira apenas confirmou o que já se sabia: desistiu da candidatura. Não entregou todos os documentos à Justiça Eleitoral e não abriu conta bancária no prazo exigido pela Lei. A Justiça Eleitoral indeferiu o registro e ele não vai recorrer. Disse que atendeu ao pedido da família. Reforçou que não é ficha suja. O vereador que cumpre o sexto mandato consecutivo, garante que saiu porque quis. 

Menos sete – Até agora já são três homens e três mulheres que já renunciaram as candidaturas. Além disso, um registro foi cancelado.  

Mais mulheres - Nas eleições municipais deste ano, o percentual geral de mulheres que disputam os cargos eletivos ultrapassou 30%. A primeira vez que isso aconteceu foi nas eleições municipais de 2012, quando partidos políticos e coligações atingiram o percentual de 32,57% de candidatas do sexo feminino.

É obrigatório - A Lei das Eleições estabelece que, nas eleições proporcionais, “(...) cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo”.  Antes o termo utilizado era “deverá reservar”. Mudou para “preencherá”.

Luzes de natal - Durante a sétima edição da ação “Você faz a ACIFI”, na região central, dirigentes da associação e empresários conversaram sobre a possibilidade dos empresários ajudarem a enfeitar a cidade no Natal. Na terça-feira (6) o evento será promovido no Morumbi/Distrito Industrial.

Remessa irregular -  A Receita Federal apreendeu nos Correios em Foz do Iguaçu 66 encomendas com indícios de irregularidade. Foram encontrados eletrônicos, artigos de informática, cosméticos, tapetes e anabolizantes, cujo total foi estimado em R$ 56 mil. Os remetentes das postagens serão intimados a apresentarem comprovação de regularidade das mercadorias.