22°
Máx
17°
Min

Obrigado, Whatsapp. Tributo ao Jeferson

- Obrigado, Whatsapp. Tributo ao Jeferson

Alerta de textão. E se você tem amigos de infância, peço-lhe reflexão sobre esse texto.

Jeferson é uma das primeiras pessoas que eu chamei de amigo em toda minha existência. Eu nasci no início dos anos 80 em Curitiba e com 5 meses de vida fui batizado em Campinas-SP.

Com 5 meses de vida conheci a casa da minha madrinha, e a casa ao lado (casa de Jeferson).

A casa do Jeferson para mim, era literalmente uma extensão da casa da minha madrinha.

Eu não batia na porta do Jeferson, eu pulava o muro sempre quando gritavam meu nome do outro lado ou no melhor estilo juvenil sem noção pulando sem ser chamado (sendo sempre maravilhosamente recebido independente das circunstâncias).

Durante 16 anos seguidos, religiosamente eram 3 meses inteiros (2 vezes no ano) curtindo a infância e adolescência ao lado de Jeferson, seus irmãos, e mais um grupo de amigos.

Ao lado de Jeferson eu disputei partidas bobas de futebol com outros garotos como se fossem finais de copa do mundo, levei meu nintendo em sua casa para jogarmos e compararmos ao seu master system que inclusive passávamos horas jogando olympic games ou Alex Kid, e passamos muito merthiolate que ardia quando as coisas se complicavam nas ruas e nos campos do parque Taquaral.

Na vida de qualquer ser humano, as conquistas, os novos planos os acontecimentos do presente acabam muitas vezes distanciando você fisicamente e mentalmente de suas origens.

Jeferson se tornou um homem honrado, casou, e estava feliz com a compra do seu primeiro apartamento. Corinthiano (graças a Deus) e motoqueiro dos bons.

Em 2014 nos reencontramos pessoalmente e foi uma alegria imensa.

Desde então, o whatsapp foi um parceiro que proporcionou algumas boas conversas nossas. Obrigado por isso, whatsapp.

Afinal de contas, a distância geográfica esteve presente em nossa amizade desde a primeira vez que pulei aquele muro e levava meses (ou 1 ano) pra pular de novo.

O que existe de mais lindo na nossa relação com amigos de infância, é que você sabe de maneira convicta que a aproximação das partes são EXTREMAMENTE VERDADEIRAS E PURAS.

Não foi aproximação pra se dar bem em um trabalho universitário, nem pra garantir aquela promoção bacana no emprego, nem mesmo para ganhar uma indicação/benefício para alguma coisa além da #amizade.

Amizade de infância, é amor tão incondicional quanto amor a família. O que nos uniu foi destino (obra divina), não fomos apresentados por indicação de algum outro amigo/colega.

O que nos uniu foi a cumplicidade no olhar de quem não sabia nada do mundo e precisava de um outro alguém para caminhar junto e descobrir.

Não é impossível formar grandes amizades depois de adulto.

Mas amizade de infância jamais lhe deixará pontos de interrogação.

Primavera chegou e Jeferson se foi. Um ônibus desgovernado levou sua vida e de sua esposa quando voltavam do trabalho.

O que mais me doeu ao receber a notícia, não foi saber que nunca mais veria o meu amigo.

E isso é o que diferencia a tal amizade verdadeira que eu tanto falei acima.

O que realmente doeu foi saber que os planos de Jeferson e sua esposa foram interrompidos. Quantos sonhos, quantos planos de viagens, aumentar a família quem sabe. Partir aos 33 anos com tantas conquistas para buscar?

Essa foi a minha primeira reação (acompanhada de choro, muito choro). A segunda reação foi tentar entender esse episódio e continuo não entendendo até porque esse é um dos mistérios que circundam a nossa existência.

Ele se foi ao lado do grande amor da sua vida. Talvez isso diga alguma coisa para quem acredita, quem tem fé.

EM uma de nossas últimas conversas de whatsapp, Jeferson tinha planos para me visitar em Curitiba. Uma de suas últimas perguntas foi querer saber se na minha casa tinha banco imobiliário ou war.

Além desses planos, em novembro eu voltaria a ver o meu amigo Jeferson em Campinas. Infelizmente não deu tempo. O Whatsapp foi nossa despedida, nosso até breve quem sabe.

Quero abraçar sua família em novembro, sentir sua presença naquelas ruas e no parque Taquaral. Assim será.

Aquele menino agitado, tão pequeno quanto valentão se tornou um homem religioso.

Sua última mensagem para mim, foi religiosa, foi um desejo puro, de amigo verdadeiro. E foi nosso último contato. Eu acredito que aquele lugar lindo da foto estava a sua espera, "Déto".

Amigos digitais, aproveitem as ferramentas para que elas sejam apenas instrumentos de recordação. Vivam o mundo lá fora intensamente e o quanto puderem. Passa rápido demais, e nem sempre novembro chega EM TEMPO.

"Déto", que Deus te receba da forma mais pura quanto foi a nossa primeira troca de sorrisos. As msgs de Whatsapp vão me ajudar a viajar no tempo, voltar para a nossa infância e fazer você viver pra sempre em meu coração.

Seu eterno amigo/irmão.