22°
Máx
16°
Min

Será que podemos voltar a vestir esta camisa?

2 Campeonatos Brasileiros, 1 Copa Libertadores da América, 1 Re-Copa Sul Americana, 1 Mundial de Clubes, 2 estaduais em 5 anos. Se fossem somente as conquistas, já dá um belo currículo ao Tite, que vai poder convocar suas escolhas e montar um time de acordo com a capacidade técnica dos atletas e sua filosofia de trabalho.

Eu sempre acreditei que técnico da seleção brasileira tem a vantagem que nenhum outro técnico de seleção tem. Um país de 200 milhões de habitantes, que fornece mão de obra para seleções do mundo inteiro e atletas que brilham ao redor do planeta. Outro grande mérito do Tite, é que o Corinthians negocia e perde muitos jogadores a cada temporada, mesmo assim ele sempre encontrou soluções e monta times competitivos, logicamente somado a uma capacidade do clube em contratar jogadores. No seu livro auto- biográfico, Tite contou de suas desavenças com jogadores indisciplinados e em meio aos títulos, os “maus profissionais” foram punidos, sem que o grupo fosse afetado negativamente.

Temos que voltar a ensinar o mundo a jogar bola, como fizemos de 1958 até 2002. Resta saber se todo um “esquema” viciado na seleção vai embora com a turma de Dunga. Esquema que convoca jogadores que atuam em países como Rússia, Ucrânia e China, em lugar de convocar os melhores jogadores que atuam aqui no nosso país, que sempre foi referência de futebol e não é mais. Esquema que convoca atletas como o goleiro Alisson, que em seis meses como titular no Inter, foi convocado e ao fim do ano já era titular da seleção, assinando milagrosamente com um time da Itália. Uma CBF que tem um dirigente preso nos Estados Unidos e outro que não pode deixar o país, com o risco de ser preso. Uma entidade sem credibilidade, franca responsável pelos fracassos e péssimos resultados dentro e fora de campo. Tite não será um salvador da Pátria, mas é um bom nome dentro de um antro de gente ruim, que não está muito preocupada com o bem do esporte. Me parece gente mais preocupada com os negócios que podem render frutos pessoais. Esta seleção é que está deixando seu povo cada vez menos fissurado no futebol brasileiro. É só ver nas escolinhas de futebol as camisas de Barcelona, Real Madrid, Chelsea impregnadas nas “carcaças” da garotada.