28°
Máx
17°
Min

Polícia Militar inicia XV Curso de Capacitação de Operações Especiais

Foto: Soldado Feliphe Aires/PMPR - Polícia Militar inicia XV Curso de Capacitação de Operações Especiais
Foto: Soldado Feliphe Aires/PMPR

A Companhia de Comandos e Operações Especiais (COE), subunidade de elite do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), da Polícia Militar do Paraná, iniciou nesta sexta-feira (02/09) a XV edição do “Curso de Capacitação de Operações Especiais – Turma 2016” (COEsp). O curso foi autorizado pelo Governo do Estado, e teve 42 alunos convocados de unidades da PM e do Corpo de Bombeiros do Paraná, além de integrantes da Aeronáutica e das polícias militares do Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Alagoas. A aula inaugural foi com o Comandante de Operações Especiais do Exército Brasileiro, coronel de infantaria Alessandro Visacro. 

“Agradeço e parabenizo os esforços do BOPE e da Diretoria de Ensino e Pesquisa da PM [DEP], pelo processo de especialização, formação e qualificação profissional a médio e longo prazo que impõe ônus humanitário, institucional, social e de ordem pública. Fizemos um esforço imenso para que neste ano as atividades da Academia Policial Militar do Guatupê (APMG), da DEP e de todas as suas facetas, na gestão do capital humano quanto à instrução e aperfeiçoamento de militares estaduais, não fossem paralisadas”, apontou o Comandante-Geral da PM, coronel Maurício Tortato.

O curso terá a duração de três meses e prepara o militar estadual para operações especiais com condições de atuar em nível de excelência nos procedimentos técnicos em qualquer tipo de ambiente ou cenário durante ocorrências críticas. De acordo com o Comandante do COE da PMPR, capitão Cezar Hoinastki, a formação no COEsp habilita o profissional de segurança pública para atuar como última resposta, o qual tem a responsabilidade de ter sucesso na missão.

“É um dos cursos mais completos no campo policial e que busca atrair policiais militares que se adequem no perfil de operações especiais, baseado no tripé homem [capacitação técnica], treinamento [condicionamento e resistência física] e equipamento [manuseamento dos materiais e recursos disponíveis]. Essa formação possibilita às forças de segurança ter em seus quadros profissionais extremamente qualificados, pois é evidente a preocupação de possuir o melhor em recursos humanos para atender situações de risco, incluindo o combate e prevenção ao terrorismo”, afirma.

Os policiais militares de diversas unidades concorreram às vagas limitadas e passaram por uma série de exercícios eliminatórios para participar do curso. Foram ofertadas ainda outras seis vagas para profissionais de outras forças de segurança do Brasil, preenchidas por integrantes das polícias militares do Distrito Federal, Rio Grande do Sul e Alagoas, além de dois militares da Aeronáutica. 

“O BOPE, como comunidade da Polícia Militar, visa aprimorar os seus conhecimentos, capacitar e treinar seus integrantes. Os policiais que estão sendo formados nem todos permanecerão no batalhão, eles vão para as unidades operacionais e esses conhecimentos adquiridos durante o curso de operações especiais, de técnico explosivo, que vai começar agora, bem como o de negociação, serão difundidos para outros militares estaduais e quem ganha é a sociedade a Polícia Militar”, explicou o Comandante do BOPE, tenente-coronel Hudson Leôncio Teixeira.

Com duração de três meses, o curso confere ao policial militar conhecimento e domínio de técnicas e táticas em operações especiais e também em ocorrências que envolvam riscos QBRN (químico, biológico, radioativo e nuclear), bombas e explosivos. Os alunos terão uma gama de disciplinas como Direitos Humanos, Gerenciamento de Crises (Negociação), Tiro Policial, Missões Táticas, Arrombamento, Ações em Ambientes Hostis e em Ambientes Verticais, Paraquedismo, Mergulho Básico e Avançado, dentre outras.

A aula inaugural foi com o Comandante do 1º Batalhão de Forças Especiais (BFEsp), coronel de infantaria Alessandro Visacro, com o tema “A Evolução das Operações Especiais e o desafios de segurança do século XXI". “Em qualquer lugar do mundo, qualquer força de segurança do mundo, seja em Forças Armadas ou corporações policiais, a demanda crescente por tropas capacitadas em operações espaciais é latente. Diante desse cenário, a iniciativa do BOPE se insere num contexto muito mais amplo em termos nacionais e globais de que há a necessidade de dispor de um conjunto de capacidade em que estão incluídas as operações especiais, para fazer face aos desafios as ameaças de segurança que a sociedade hoje vive”, acrescentou o coronel.

O capitão Hoinatski ressaltou que a essência do COEsp é a busca da qualificação física, técnica e psicológica, com dedicação exclusiva e superação por parte dos alunos. “Essa atividade exige a superação do operador diante dos desafios apresentados. É necessário que o policial seja forjado nessas condições, pois a responsabilidade de atingir o sucesso das mais difíceis missões recai para a unidade de operações especiais”, complementou.

EXPECTATIVA – O sargento do 15º Batalhão da PM (15º BPM), Silvio Minhoto, sediado em Rolândia (PR), disse que realiza um sonho ao participar do COEsp e que todo o conhecimento adquirido será ampliado na região Norte do estado, onde atua. “Serei um disseminador de conhecimento e terei condições de atender ocorrências que exijam atendimento especial pois o curso proporciona isso: um conhecimento técnico e especial em várias áreas para servir à comunidade”, falou.

Para o soldado Alissom Treufeldt, da Rondas Ostensivas de Natureza Especial (RONE), desde a sua infância envergar a farda da Polícia Militar era um objetivo e, agora, após 12 anos de corporação no BOPE, vai completar o currículo com o COEsp. “É um sonho realizado e já pude trocar experiências com os colegas de outras forças policiais. Isso agrega conhecimento e possibilita o aperfeiçoamento das técnicas de operações especiais”, afirmou.

Além de policiais, sete bombeiros militares do Paraná integram a turma, como o soldado Robson Ferreira Alves, que pretende completar seu currículo com o curso e difundir as informações recebidas com seus colegas de farda. “O curso é dotado de várias matérias de salvamento vertical, parte de resgate aquático então é um curso que abrange tanto a área de policial militar quanto de bombeiro militar, então isso pode vir agregar, com certeza, o serviço nosso do dia a dia, e é um curso de operações então estar trabalhando sempre em conjunto com a polícia e o bombeiro”, ressaltou.

O Comandante da 1ª Companhia de Choque da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, capitão Leonardo Luizeli Altafile, enalteceu a iniciativa do BOPE do Paraná em promover o COEsp e citou que a experiência paranaense pode contribuir com as doutrinas aplicadas no seu estado. “A expectativa é boa no sentido de angariar experiência, muita qualidade técnica que a PM do Paraná possui sendo referência na área de Operações Especiais. Sabemos que é um curso difícil e minha expectativa é adquirir uma experiência singular”, completou.