27°
Máx
13°
Min

Candidatos prontos. Ou quase

Eleições em Ponta Grossa ganham contornos mais nítidos. Uma série de movimentos ágeis serviram, nos últimos dias, para marcar posição. Além de Marcelo Rangel (PPS), candidato à reeleição, outros atores ocupam espaços no palco. O primeiro a se posicionar foi Aliel Machado (REDE). O deputado federal, ainda chamuscado por sua posição contra o impeachment de Dilma Rousseff se encarregou de assumir de vez a bandeira da esquerda de resultados, e já anunciou que vai buscar uma aliança com o PT. Depois veio Sérgio Gadini, do PSOL. Mas só deve fazer número, e gerar frenesi em alguns debates.

O industrial e várias vezes ex-secretário municipal Álvaro Scheffer (PV), também disse estar disposto – mas como na história de Pedro e o Lobo, como já fez isso antes, não encontra muita gente que acredite.

Rapidamente também Marcio Pauliki desfez o mistério – que durava semanas – e se anunciou postulante pelo PDT. E foi além: tornou público convite ao presidente da Câmara de Ponta Grossa, Sebastião Mainardes Júnior (DEM), para ser seu candidato a vice. Mainardes confirmou o convite, mas não em definitivo. Em nota distribuída no final da tarde desta terça-feira, o indiscutível líder do DEM na região, Plauto Miró Guimarães Filho, avisou que o partido está aberto a conversas mas não decidiu nada. E que só vai fazer aliança com quem tem identidade pragmática. O recado parece claro: não há chance de uma aliança com o PDT.

Pelo menos por ora.

A expectativa do DEM é um convite de Marcelo Rangel, a quem apoiou em 2012 e de quem recebeu diversos postos no governo.

Pela vaga de vice de Rangel - hoje ocupada pelo médico e campeão de votos José Carlos “Doutor Zeca” Raad (PPS) – aparecem outros pretendentes. Na fila estão, entre outros, a ex-secretária Elizabeth Schmidt (PSB) e o também ex-secretário e hoje vereador Júlio Küller (PMB), que ainda ensaia uma possível participação como cabeça-de-chapa.

Os demais não têm a mínima ideia de quem serão seus vices. Até porque o mercado está completamente aberto. E, contrariando a lógica da atração dos corpos, nesse campo ninguém é de ninguém.