27°
Máx
13°
Min

59 x 21: o drama (merecido) de Dilma se agrava

Por 59 a 21 votos, Dilma Rousseff foi considerada ré por crime de responsabilidade e - salvo algum cataclismo - será afastada definitivamente da presidência (ufa!) até o final do mês, quando deverá ocorreu seu julgamento final.

O placar foi mais acabrunhante para ela do que na votação anterior, ocorrida em maio e que admitiu que fosse processada, quando 55 senadores disseram sim e 22 não.

A sessão, presidida pelo presidente do STF Ricardo Lewandowski, foi encerrada no início da madrugada. Durou 16 horas e foi submetida do início ao fim a manobras regimentais de petistas e aliados. Lewandowski foi gentil e ao mesmo tempo rigoroso com os chicaneiros, enterrando a maioria de suas investidas.

Cometeu, admita-se, o ato falho de referir-se, no início da sessão, a José Eduardo Cardozo como "nosso advogado". O ex-procurador-geral da República é o advogado de Dilma.

Destaquem-se: a pérola de Vanessa Grazziotin, que, de tanto chamar Dilma de "presidenta", afirmou que ela é "inocenta"; os trejeitos de Cardozo ao defender Dilma na tribuna; a mais recente acusação contra Temer, o "golpista", feita pelo melífluo Randolfe Rodrigues: o presidente em exercício é o culpado pelo aumento do preço do feijão!; o discurso brilhante na concisão, contundência e eloquência de Simone Tebet, que analisou o conjunto do desastre comandado por Dilma; e a empáfia de Requião ao confrontar os colegas, afirmando que a maior parte deles foi delatada por empreiteiros, esquecendo-se de se incluir entre eles...

A sessão histórica apenas cumpriu tabela - penúltima etapa de um processo iniciado em dezembro do ano passado -, pois as posições já estão definidas. Dilma pediu socorro a Lula para tentar evitar que o placar contra ela se ampliasse, mas seu criador - e réu por tentativa de obstrução da Justiça - demonstrou que há muito perdeu seus poderes de prestidigitador.

A evolução do isolamento de Dilma mostra que, quanto mais ela insistir na "agonia"(foi assim que se referiu à sua condição  de presidente afastada), mais agravará seu estado, o que pressagia que o epílogo será ainda mais doloroso.

Acompanhe www.josepedriali.com.br