23°
Máx
12°
Min

Dilma está cada vez mais só. Manifestações de ontem foram um fracasso retumbante

Se depender dos "movimentos sociais" e da militância petista, Dilma Rousseff está liquidada. Definitivamente!
Pois é deles que ela depende para manter a aparência de que ainda tem algum apoio popular.


Deles e de magotes de artistas (financiados pela Lei Rouanet), intelectuais (idem) e "juristas" (petistas) recrutados pelo Palácio do Planalto para participar de comícios disfarçados de solenidades oficiais. Comícios nos quais Dilma, a defunta, repete - com os olhos cada vez mais esbugalhados, o tom de mais ainda mais incisivo e gestos ditatoriais - o mantra de que não cometeu crime de responsabilidade e, por isso, o processo de impeachment a que é submetido "é golpe".

As manifestações de ontem, realizadas em cerca de 50 cidades (1% do total dos municípios brasileiros), foram um fracasso retumbante.

Duzentas mil pessoas, segundo estimativa (otimista) da PM foi o que o PT & afins conseguiram reunir, apesar dos estímulos: viagem paga, hospedagem paga alimentação paga e, ainda, compensação financeira aos participantes.

Até sindicatos, proibidos de financiar atos políticos, entraram de cabeça na farsa. Um deles teve o despautério de oferecer R$ 300 para cada participante.A oferta consta de comunicado reproduzido no portal da CBN.

Assistimos ontem não a uma manifestação de apoio a um chefe de Estado ameaçado, mas ao velório de um defunto na iminência de ser sepultado.

A pesquisa mais recente - Ibope, divulgada no início da semana - mostrou que 82% dos brasileiros desaprovam o estilo de Dilma, cujo desgoverno é reprovada por 69% e aprovado por míseros 10%. Mais de dois terços dos eleitores desejam que o fim de seu mandato melancólico, desastrado e desastroso seja antecipado.

Pois nem os 10% que se dizem alinhados ao desgoverno Dilma ousaram participar do seu funeral. Só acorreram a ele os que receberam capilé - como faziam as carpideiras do Brasil colonial. Aquelas recebiam para chorar no velório. Esses, recebem para fazer o mesmo, mas disfarçando as lágrimas com o brado "não vai ter golpe!"

AcompanheJosé Pedriali