22°
Máx
16°
Min

Janot põe abaixo o que restava da República Petista

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF a prisão preventiva dos presidentes do Senado Renan Calheiros e da Câmara Eduardo Cunha, do senador e ex-ministro do Planejamento Romero Jucá e a instalação de tornozeleira eletrônica no senador e ex-presidente José Sarney. A informação foi dada com exclusividade pelo Globo, à qual o Estadão acrescentou detalhes sobre Sarney e o pedido referente a Cunha.

Eles foram flagrados em grampo telefônico tramando a obstrução da Operação Lava Jato. O grampo foi feito pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, indicado pela cúpula do PMDB para o cargo. Segundo Machado, o trio levou R$ 70 milhões de propina da Lava Jato.

O pedido de prisão põe por terra o que restava da República Petista – o quarteto foi essencial para a consolidação do governo do PT e idem para sua dissolução -, pois a isso se soma o afastamento de Dilma Rousseff da presidência para responder por crime de responsabilidade; o pedido de cassação por quebra de decoro de Eduardo Cunha – outro investigado pela Lava Jato, outro ex-aliado do PT convertido em inimigo figadal – e o pedido de prisão, feito pelo MP de São Paulo, do ex-presidente Lula.

Dilma e seu mentor foram denunciados por Janot ao STF por obstrução da Justiça, Dilma está sob uma avalanche de denúncias de delatores de peso da Lava Jato e Lula, bem... sua ficha corrida é longa, pública e notoriamente escandalosa.

Não bastasse isso, a República petista foi abalada – para ficar nos acontecimentos recentes - pela condenação à prisão, por corrupção etc., do ex-chefe da Casa Civil José Dirceu e do ex-tesoureiro do partido João Vaccari, a quebra do sigilo telefônico, autorizada ontem pelo STF, do ex-homem forte do governo petista Gilberto Carvalho, as investigações envolvendo o filho caçula de Lula e ele próprio por suspeita de receberem propina pela venda de medidas provisórias...

Ufa! Nunca antes na história deste país se roubou tanto em nome do “combate à corrupção” e da “justiça social”...

Acompanhe José Pedriali