26°
Máx
19°
Min

O pior advogado do Brasil

Senhoras e senhores, prezadas cidadãs, prezados cidadãos: quem avisa amigo é, e lá vai o meu aviso: se por qualquer infortúnio as senhores e os senhores precisarem de um advogado, jamais procurem José Eduardo Cardozo, até ontem procurador-geral da República. Antes disso, foi ministro da Justiça. Foi professor de direito!

Ele recebia R$ 30 mil mensais e tinha direito a jetons dos conselhos de estatais que ocupava. Jetons que, em algumas situações, elevaram seus rendimentos a mais de R$ 70 mil num único mês.

Pois bem. Com tão alto rendimento e tendo à sua disposição toda a equipe da Advocacia-Geral da União, que transformou em advocacia-geral do Dilmão, ele foi incapaz de vencer uma só causa! Nenhuma! Nadica de nada!

Perdeu TODAS, em sequência, sem respiro, sem trégua, sem dó, nem piedade dos que tentou convencer. E que foram deputados e senadores e os ministros do STF.

Fala muito bem o homem. Fora isso, como se vê, é um fracasso.

Suas teses foram ridículas, no conteúdo e na forma em que as expôs. “Não houve crime de responsabilidade”, “impeachment sem crime é golpe”, “golpe parlamentar”, “impeachment, mesmo com amplo direito de defesa, é golpe”, “vício de origem”, “desvio de finalidade”, etc.

Está, merecidamente, na rua da amargura. Perdeu o emprego, a credibilidade, comprometeu sua carreira em defesa de uma causa ignóbil.

Mas, como consolo, conseguiu dar argumento para a gangue de petistas que continuará vomitando: “É golpe!”

Acompanhe José Pedriali