21°
Máx
17°
Min

O triste (e merecido) destino da Mulher Pamonha

Eis que a Mulher Pamonha (*)

Perdeu de vez a vergonha:

De Dilma feroz opositora

Virou ardorosa defensora

Assim, sem mais nem menos...

Em troca, um ministério

dos grãos, não de minério

Prometeram o império

E lhe sobrou o vitupério

Assim, sem mais nem menos...

Mas cumpriu o que prometeu

Com Dilma a Katia Abreu

Tristinha a rampa desceu

E, como ela, se f...

Assim, sem mais nem menos...

Katia Abreu, Katia Abreu

Conheceste a luz

E escolheste o breu

De novo: e se f...

Assim, sem mais nem menos...

Podia ter subido ao céu

Se fiel à dignidade

Sem dó nem piedade

Foi – tadinha! - pro beleléu!

Assim, sem mais nem menos...

É o destino, impiedoso,

Dos que a alma mercadejam

Dos que a tudo almejam:

A traição do Tinhoso!

Assim, sem mais nem menos...

(*) Katia Abreu recebeu o apelido de Mulher Pamonha por causa do vestido que usou na posse do segundo mandato de Dilma: era um autêntico invólucro de pamonha!

Acompanhe José Pedriali