Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Realidade se impõe a promessa e projeto de Belinati

O novo prefeito de Londrina, Marcelo Belinati (PP), cedeu à realidade, descumprindo, já na primeira semana de governo, uma promessa de campanha e um projeto de sua autoria quando deputado federal.

Promessa de campanha descumprida: a redução de 40% da estrutura administrativa, composta por 31 cargos de primeiro escalão. Ele reduziu, sim, o número de secretários, fazendo-os acumular pastas, mas isso resultou na diminuição temporária de 20% dos ocupantes de cargos  de primeiro escalão. "Há muitas especificidades no caso de Londrina e por isso é difícil reduzir a equipe", justificou o secretário de Governo, Marcelo Canhada. Assim, o que diziam era ficção com propósitos eleitorais.

E quanto aos comissionados? Não há, por enquanto, como saber, pois as nomeações não foram concluídas. As dos secretários só se completaram, e depois de vários atropelos (ufa!), no quarto dia útil do mandato. Belinati foi eleito em 2 de outubro...

Projeto de lei renegado: o que determina que diretor de empresa estatal tenha formação superior e no mínimo cinco anos de atuação na área, vedando-se “indicações meramente políticas”. O projeto é de 2005. E o que fez Belinati? Nomeou um vereador eleito para o comando da Fundação de Esportes (FEL) e um que teve negada pelas urnas sua reeleição para a Autarquia de Serviços Funerários para...

Antes de apresentar a razão dessas indicações, uma explicação: Fernando Madureira, o escolhido para a FEL, é professor de educação física e praticante de lutas marciais desde criancinha – cumpre, portanto, os requisitos do projeto de Belinati. E Tio Douglas, o derrotado pelas urnas, tem tudo para comandar os serviços funerários: é a reencarnação cabeluda do Tio Funéreo, o mais histriônico personagem da célebre Família Adams.

E agora a razão das acomodações: para permitir que outro vereador não reeleito, Jamil Janene, voltasse à Câmara. É do mesmo partido do prefeito e tem relação antiga de amizade com os Belinati (o tio de Marcelo, Antonio, foi prefeito três vezes). Espera-se, portanto, um casamento mais que harmônico entre ambos.

Foram ou não foram “meramente políticas” essas nomeações?

Que estas sejam as únicas falhas de Belinati ao longo de seu mandato, iniciado com invocações a Deus em sua posse e com um Pai Nosso na primeira reunião de trabalho com seus secretários. E que esse mandato não termine com um Exorcismo, são meus sinceros votos de um profícuo 2017, 2018, 2019 e 2020 para o prefeito e sua equipe...

Acompanhe www.josepedriali.com.br