23°
Máx
12°
Min

Ave Lola lança campanha de apoio coletivo para levar o Nuon ao Chile

(Foto: Divulgação) - Ave Lola lança campanha de apoio coletivo para levar o Nuon ao Chile
(Foto: Divulgação)

A trupe Ave Lola foi convidada para apresentar o espetáculo Nuon, no Chile, integrando a programação de um dos mais importantes teatros da capital chilena: o Anfiteatro del Museo Nacional de Bellas Artes. Essa ação é o resultado de uma parceria artística entre o grupo curitibano com a Compañía Viajeinmóvil, um dos principais coletivos teatrais do Chile, dirigido por Jayme Lorca.

Para levar o espetáculo brasileiro ao Chile, a Ave Lola lança, no dia 10 de outubro, uma campanha coletiva de arrecadação, online, para levantar os recursos necessários para financiar a viagem do grupo. Para conhecer a campanha, basta acessar o link https://www.catarse.me/nuonemsantiagodochile, assistir o vídeo de apresentação e verificar as formas de participação. As doações podem ser feitas até o dia 09 de dezembro de 2016.

Há vários modelos de apoios, que vão de R$ 25 a R$ 6 mil reais, ou escolher outro valor além dos sugeridos, e cada uma das opções contam com diversas formas de agradecimento, como um agradecimento exclusivo nas redes sociais da trupe, botons incríveis do Ave Lola e 1 ingresso para as apresentações do Nuon em Santiago ou em Curitiba. Empresas também podem ser entusiastas do Teatro Brasileiro, com uma opção pensada especialmente para elas.

Ao participar desse projeto, os doadores contribuem com a educação no Brasil. De acordo com o resultado das doações, a Ave Lola fará diversas ações sociais em agradecimento pelo sucesso da campanha, como oficina de culinária para crianças de um orfanato e uma oficina de teatro para crianças de uma escola pública na cidade de Curitiba.

O espetáculo

O espetáculo Nuon leva ao palco a temática dos refugiados de guerra, tendo como pano de fundo o assassinato em massa promovido pelo regime do Khmer Vermelho no Camboja, durante a década de 70. A história, inspirada em fatos vividos há cerca de 40 anos, se mantém atual diante dos conflitos e dificuldades que hoje assolam outros países, como Síria, Afeganistão e Sudão.

"Consideramos essencial levar esse tema para os palcos, a qualquer tempo. Afinal, a história do mundo está marcada por grandes guerras, genocídios e migrações motivadas por tudo isso, a exemplo do que temos visto acontecer com os refugiados sírios. O teatro tem a capacidade de trazer essa reflexão de forma única, com poesia e delicadeza, mas sem minimizar a relevância histórica dos fatos", conta a diretora da Ave Lola, Ana Rosa Tezza, também autora e diretora do espetáculo.

Nuon acontece em uma única noite, durante uma celebração em que no mundo budista os ancestrais são homenageados. A história mostra personagens que viveram sob o regime cruel do Khmer Vermelho, e que voltam para revisitar sua terra e suas memórias. Em especial, a peça gira em torno da personagem inspirada em Phaly Nuon, cambojana que se dedicou a salvar outras mulheres dos traumas físicos e emocionais gerados pela tortura, fome e outras mazelas dos campos de trabalhos forçados.

Sobre o Khmer Vermelho

O regime aconteceu entre 1975 e 1979 e suas práticas são reconhecidas internacionalmente como assassinato em massa. Cerca de 2 milhões de pessoas - 25% da população do Camboja na época - foram executadas. Os principais líderes do regime foram Pol Pot, Nuon Chea, Ieng Sary, Son Sen e Khieu Samphan. Além de mortes, o Khmer Vermelho foi responsável por horrores praticados em campos de trabalhos forçados, como tortura, separação de famílias e muita fome.