22°
Máx
17°
Min

Exposição "Cores da Psique" revela a sensibilidade e o talento de pacientes do Caps III

Exposição "Cores da Psique" revela a sensibilidade e o talento de pacientes do Caps III

Uma exposição que revela a sensibilidade, o talento e a busca por um mundo melhor. É a “Cores da Psique”, aberta nesta manhã (7) na Sala Verde da Biblioteca Pública Sandálio dos Santos. Cerca de 30 telas produzidas por pacientes do Caps III (Centro de Atenção Psicossocial) do Município durante a oficina de artes podem ser apreciadas ou até mesmo adquiridas até o dia 30 de junho. A Sala Verde fica aberta para visitações de segunda a sexta-feira, das 8 às 19 horas.

O prefeito Edgar Bueno e a secretária de Cultura, Cléia Kazmierski, participaram da abertura oficial da exposição, que tem por objetivo ressocializar e resgatar a autoestima dos pacientes com transtorno mental, que por meio das telas, demonstram habilidades e competências, expressam sentimentos e buscam o resgate da dignidade, da cidadania e do respeito aos seus direitos.

“É o fruto do trabalho de pessoas que, em algum momento se perderam, mas que agora estão aqui, mostrando a disposição de enfrentar uma nova realidade, uma nova vida. Para ter criatividade e habilidades é preciso paz e tranquilidade, pois com isso se externa toda a sensibilidade e o que eles sabem fazer. Que este momento se repita e tenha cada vez mais pessoas envolvidas e ressocializadas”, afirmou o prefeito.

As oficinas que deram origem às telas foram conduzidas pela artista plástica e arte terapeuta, Jessica Barrios Tozo. “As aulas, disse, são momentos que estimulam a criatividade, a motivação e a construção de vínculos, por meio de atividades livres e dirigidas, desenvolvendo aspectos cognitivos, motor e emocionais e em especial, habilidades expressivas, ampliando a sensibilidade, a percepção, reflexão e a imaginação. 

“É um verdadeiro resgate de autoestima, que acaba revelando talentos”.

Nas aulas são utilizadas diferentes técnicas, materiais, cores e formas. Além do tratamento clínico indispensável, a pessoa com transtorno mental, necessita ter reconstituído seu direito de criar, opinar, escolher, relacionar. A atividade artística enfatiza o processo construtivo e a criação do novo, por meio da produção de conhecimentos, experiências, ações, objetivando reinventar seu modo de olhar o mundo.

“É uma felicidade poder mostrar novamente a qualidade desses trabalhos, pois a arte tem o poder curativo, que transforma o interior das pessoas”, disse a gerente de Atenção à Saúde Mental, Iara Agnes da Costa.

Colaboração: Prefeitura Municipal Cascavel