22°
Máx
17°
Min

Sandra Antunes Ramos exibe um resumo de sua produção, bem recebida pela crítica

(Foto: Divulgação)  - Sandra Antunes Ramos exibe um resumo de sua produção
(Foto: Divulgação)

Artista que impressionou Sandra Antunes Ramos, a norte-americana Francesca Woodman (1958-1981) costumava ambientar suas fotografias em casas arruinadas, deixando entrar a luz através das janelas e frestas de portas, criando um drama que o espectador podia ou não julgar encenado. Em certo sentido, Sandra busca em seus desenhos a mesma luz poética, criadora de uma situação ambígua, em que interior e exterior se comunicam e trocam de lugar. Detalhe: a brasileira faz isso sem recorrer à figura humana, e sim à geometria.

Há nos desenhos expostos na Galeria Millan também uma ambivalência - como em Woodman, em que presença e ausência são sinônimos, no sentido de que os corpos se fundem com o ambiente. O crítico Alberto Tassinari comparou os pequenos desenhos da mostra a iluminuras, que impressionam o espectador por permitir imaginá-las como grandes pinturas. Como em Woodman, também é possível "penetrar" em suas fotos como se o espectador tivesse acesso ao ambiente.

"O meu jeito de ver o mundo é separando os elementos", explica Sandra, justificando porque um desenho que adota como referência a Robie House de Frank Lloyd Wright não se parece em nada com a casa projetada em planos horizontais sobrepostos. São desenhos, como observa Tassinari, para serem olhados de perto - "como se o olhar os abrisse com uma grande angular", conclui o crítico.

Olhando desse modo é até possível ver no desenho reproduzido nesta página as mesmas linhas da casa de Wright construída no subúrbio de Chicago, embora a referência concreta não explique o enigma da luz que emana dessa sutil arte de combinar formas e cores.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.