22°
Máx
17°
Min

O filme 'Conspiração de Poder' põe em foco denúncias da era Bush

(Foto: Divulgação)  - O filme 'Conspiração de Poder' põe em foco denúncias da era Bush
(Foto: Divulgação)

Pode ter sido erro de julgamento, mas Conspiração e Poder, de James Vanderbilt, que estreia nesta quinta, 24, e Spotlight - Segredos Revelados, de Tom McCarthy, estrearam juntos no Festival de Toronto, em 2015. Spotlight surgiu logo como potencial indicado para o Oscar e, no fim, venceu o prêmio da Academia. Mas não foram poucos os críticos que selecionaram Conspiração e Poder - Truth/Verdade, no original - como melhor filme em Toronto. Esses entusiastas antecipavam indicações para Cate Blanchett e Robert Redford por suas criações dos jornalistas Mary Mapes e Dan Rather.

Corrigindo - deve (e não pode) ter sido erro de julgamento, porque o filme teve lançamento limitado nos EUA, faturou míseros US$ 2,9 milhões e foi defenestrado do Oscar e da vista dos espectadores. Ou a história não era tão boa como pensava o roteirista e diretor Vanderbilt, em sua estreia como realizador, ou o título brasileiro, que fala de conspiração, afinal tem a ver com o que pode ter ocorrido.

Conspiração e Poder baseia-se numa história real, de 2004. Mary Mapes era produtora do lendário programa 60 Minutes, apresentado por Dan Rather. O presidente George W. Bush concorria à reeleição e ela investigava a conexão de sua família com o sinistro Bin Laden. Topou com outra informação explosiva - Bush filho teria usado ligações familiares e favorecimentos para servir na Guarda Nacional do Texas, em vez de ser enviado ao Vietnã, onde houve a carnificina que todos sabem.

A reportagem foi ao ar, e imediatamente contestada, porque baseada em documentos que teriam sido forjados. O filme adota o ponto de vista de Mary/Cate Blanchett. Ela investigada, tem sua credibilidade destruída como liberal empedernida que teria tentado atingir o presidente. A situação é muito mais complicada que a de Spotlight. Conspiração e Poder tem um grande tema - a imprensa -, mas está longe de ser o grande filme que alguns críticos, apressadamente, viram em Toronto.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.