22°
Máx
14°
Min

Recordista na rede, o 'Porta dos Fundos' reformula-se ao invadir as salas

O filme estreia hoje (30) em salas de cinema de todo o país (Foto: Divulgação) -  'Porta dos Fundos' reformula-se ao invadir as salas
O filme estreia hoje (30) em salas de cinema de todo o país (Foto: Divulgação)

A partir desta quinta, 30, serão 700 salas de todo o País exibindo Porta dos Fundos - Contrato Vitalício. Para todo o lado que você se virar encontrará as caras de Fábio Porchat, Gregório Duvivier & cia. E se o cinema não estiver sintonizado no Porta, é muito provável que esteja imerso na batalha de Independence Day - O Ressurgimento. Em cartaz em 970 salas, o longa de Roland Emmerich faturou 752 mil espectadores no primeiro fim de semana. Ops! Se ajudar, tem extraterrestre em Contrato Vitalício, mas é bom não apressar as descobertas do espectador. Tem até beijo na boca de Fábio com outro homem. Transgredir sempre foi a palavra de ordem no Porta.

Fábio e seu amigo diretor - Ian SBF - gostam de brincar que o filme do Porta dos Fundos tem um lado autobiográfico. "Somos amigos de infância e a gente sempre se prometia trabalhar junto. Chegamos a falar, de brincadeirinha, num contrato vitalício. O filme já vinha sendo bolado há tempos, mas a gente só falava. Quando começamos para valer, o tema do contrato voltou e se impôs", conta Fábio. Na internet e até na TV - Multishow -, o Porta impôs um estilo de humor viral, feito de esquetes curtos e fortes cacetadas. Vale tudo, incluindo política. "Para a estreia no cinema resolvemos concentrar no mundo do entretenimento, nas celebridades", diz Fábio. "Acho legal, o País tá muito dividido para se arriscar com um filme sobre política", avalia Duvivier. Já como cronista, ele bate forte.

A grande surpresa dos tietes do Porta será conferir uma mudança que não é de tom, mas de estrutura. Pois Contrato Vitalício é um filme que pretende contar uma história. Logo de cara, Fábio Porchat e Gregório Duvivier formam uma dupla que é premiada no Festival de Cannes. Tomam um porre para comemorar, Fábio propõe (e assina) o contrato do título. Em cinco minutos, pouco mais, Duvivier vai ao banheiro. Diz Já volto! e some por dez anos. Volta com uma história de abdução e cobra o tal contrato. Inicia-se a produção de um filme autobiográfico, que narra o que teria ocorrido com Duvivier no centro da Terra. Visto por esse viés, o filme talvez não seja muito diferente de Entre Abelhas, o longa sério - cabeça - de Fábio e Ian. Fábio, na ausência do amigo, consolida-se como astro. Leva o que parece uma vida feliz. Mas aí a chegada de Duvivier o lança no olho do furacão. O personagem, em si, não é engraçado - engraçado é, ou deveria ser, o entorno, todas as pessoas e situações que agem sobre ele e transformam sua vida num inferno.

É ou deveria ser engraçado? Porque há um lado híbrido (dramático?) que permeia Contrato Vitalício, meio Entre Abelhas. "Você acha?", pergunta o diretor. E Ian promete pensar sobre o assunto. Fábio vai descobrir que sua felicidade é relativa e o diretor do filme dentro do filme... Leia a entrevista de Duvivier. Para o público que consagrou o Porta com 3 bilhões de acessos - vamos colocar todos os zeros, 3.000.000.000 -, o filme exige uma, digamos, adequação. Ao timing do humor, à história, aos personagens. A tudo. A rodagem do filme dentro do filme é um tormento para o personagem de Fábio. Há uma preparadora de elenco que trata um dos protagonistas - o oponente de Fábio na trama -, pior que cachorro. Seu método é violento, ela admite, e dá-lhe pancada no ator. É Fátima Toledo, a lendária preparadora de Cidade de Deus e de boa parte do cinema brasileiro desde Pixote (na fase da Retomada, nem se fala)? "Não é uma crítica à Fátima, é uma homenagem", diz Fábio.

O filme reflete, como um espelho deformado, o estado do mundo na era das celebridades? Tem a blogueira que leva sua minicâmera ao banheiro, o repórter interativo que acompanha Fábio o tempo todo, o assessor que cuida de suas contas e só pensa em faturar, etc. No mundo capitalista, global, o assessor exaspera-se com o desejo de Fábio, dentro do filme de se testar como ator. "Shakespeare nem sonhar! Quem quer saber dessa m..." Esse é leve, o filme tem palavrões cabeludos. "Nada que não tenha nas comédias americanas, o problema é que eles não ficam traduzindo os motherfucker que os caras dizem a toda hora", comenta Fábio.

Contrato Vitalício é o primeiro filme do grupo - o primeiro, eles esperam, de uma série. "O Porta é uma empresa produtora de conteúdo. Estamos aqui nessa baita expectativa e pensando num monte de produtos. Nossa ideia é um filme por ano, todos os anos. Não importa que seja um filme só de um, ou de dois, de vez em quando de todos. A ideia é dar continuidade", diz Fábio. Ian SBF nem espera o resultado. Em julho, roda, todos os fins de semana, um baixo orçamento sobre o fim do mundo - 98%. "Vai ser um filme de muitos atores, 30, mais com a cara do Entre Abelhas que do Porta." E o Fábio, cronista do Estado? "Estou cheio de ideias", promete. "Vamos que vamos." E sobre o Contrato? "Já fizemos nossa parte, agora é com o público."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.