23°
Máx
12°
Min

Encontros semanais reúnem apaixonados por Fusca em Maringá

Encontros semanais reúnem apaixonados por Fusca

Um evento realizado semanalmente em Maringá reúne dezenas de apaixonados por Fuscas. São donos desses veículos e visitantes que acabam se tornando amigos e debatendo assuntos sobre o carro.

Nesta quarta-feira (25), o grupo Fusketas Maringá se reunirá no estacionamento do Teatro Reviver a partir das 20h. São aproximadamente 20 amigos que expõem toda semana suas relíquias no encontro, que é realizado em diferentes pontos da cidade.

O grupo existe há aproximadamente quatro anos. Os participantes se comunicam por meio de redes sociais e organizam os eventos. De acordo com um dos participantes, Guilherme Pires Suaki, 30 anos, o objetivo é conversar sobre as experiências com o carro. “As pessoas podem ver os Fuscas, trocar uma ideia, às vezes é uma oportunidade de uma pessoa que quer vender ou comprar um Fusca ficar sabendo onde tem”, contou.

Suaki é um dos fundadores dos “Fusketas Maringá”. A ideia partiu dele e de mais quatro amigos que participavam de um encontro de Fuscas aos domingos de manhã, a cada quinze dias. Por conta do horário e do dia, muitos não tinham disponibilidade para ir, então resolveram criar um grupo que se encontrasse em dias da semana, com mais frequência.

Amor que vem da infância

A paixão de Guilherme Pires Suaki pelo carro é antiga. Surgiu quando criança, época em que o pai o levava para passear em seu Fusca. Quando o pai faleceu, ele acabou comprando um Fusca 1976, que hoje usa diariamente e não troca. O motorista já gastou na restauração do veículo aproximadamente R$ 30 mil.

Outro entusiasta é Stanley Raphael Schiavo, 31. Ele tem dois Fuscas, um 1973 e outro 1969, além de uma Kombi 1997 que é uma atração dos encontros. O carro apelidado de SelfieKombi foi modificado e é utilizado como cabine fotográfica em eventos.

Schiavo é desenvolvedor de sites, mas nas horas vagas tem como hobby a manutenção dos Fuscas dele e dos amigos. “Desde motor à suspensão, lataria, estrutura. Virou um hobby mexer com isso. Nunca tinha mexido, mas pelo histórico familiar comecei a pegar gosto”, disse. Ele teve influência do tio, que o levava quando criança para vê-lo correr em uma competição de Fuscas. “Ele me colocava dentro dos boxes onde ficavam os mecânicos da corrida e daí veio à vontade de mexer."

Qualquer um pode ir ao encontro, que tem entrada gratuita. A participação no clube também é livre para qualquer pessoa que seja apaixonada pelo Fusca. Mais informações podem ser obtidas pela página do Facebook do grupo.