22°
Máx
17°
Min

Fundação Cultural homenageia Leminski com novo painel

(Foto: Divulgação) - Fundação Cultural homenageia Leminski com novo painel
(Foto: Divulgação)

O poeta curitibano Paulo Leminski faria 72 anos no próximo dia 24 de agosto. Em mais uma homenagem ao poeta, a Fundação Cultural de Curitiba está substituindo o painel existente na fachada da Casa da Memória (Rua São Francisco esquina com Travessa Nestor de Castro). A imagem criada na comemoração dos seus 70 anos foi atualizada e ganhou um novo design com a inscrição de um de seus poemas: “Confira tudo que respira conspira”.

O poema faz parte da obra “Toda Poesia”, que reúne toda a produção poética de Leminski. A sugestão foi de uma das filhas do escritor, a jornalista Áurea Leminski. “Escolhemos um poema curto e de comunicação rápida, como precisava ser no caso dessa nova proposta”, conta. Para a família, a permanência do painel naquele local foi uma forma de reconhecimento. “A gente sente como uma retribuição da cidade por ele ter propagado o nome de Curitiba, como artista, com sua arte, sua obra. Ficamos felizes com esse reconhecimento e só temos a agradecer”, diz Áurea.

As homenagens também se estendem com a programação especial na Casa da Leitura Paulo Leminski, uma das unidades da Fundação Cultural de Curitiba, localizada na R. Padre Gaston, na Cidade Industrial. No dia 24, em duas sessões, às 9h30 e 14h, acontece a roda de leitura “Leminski-se”, com uma seleção de textos do escritor. A atividade se destina a jovens e adultos a partir de 14 anos e tem entrada gratuita. Outro evento alusivo a Paulo Leminski é o show da cantora e compositora Estrela Leminski com acompanhamento da Orquestra Sinfônica do Paraná, com a participação de Ná Ozzetti e Rogéria Holz, no dia 24, às 20h, no Guairão.

Leminski faleceu em 1989, aos 44 anos. Autor de uma extensa e relevante obra literária, que inclui poesias, romances, contos, biografias, traduções e letras de músicas, o poeta é considerado um dos grandes nomes da literatura brasileira e um dos maiores expoentes da poesia de vanguarda. Entre suas obras mais conhecidas estão "Catatau", "Agora é que são elas", "Caprichos e Relaxos" e "Metamorfose, uma viagem pelo imaginário grego".