22°
Máx
17°
Min

Guarapuava inicia o curso ‘Mulher inventando moda’

(Foto: Divulgação) - Guarapuava inicia o curso ‘Mulher inventando moda’
(Foto: Divulgação)

Nem a chuva atrapalhou a força de vontade das mais de trinta alunas do curso profissionalizante em auxiliar de confecção ‘Mulher inventando moda’, que começou nesta segunda-feira (30). Oferecido pela Secretaria de Políticas para as Mulheres e Sesi/Senai, em parceria com a Indústria de Embalagens Polijuta, o curso foi elaborado especialmente para atender o público feminino. “Para mudar esse cenário, desenvolvemos um curso específico para o público feminino. Durante o curso, além da prática, vamos problematizar a mulher no mercado de trabalho, a desigualdade de gênero e a violência doméstica e familiar”, comentou Noeli Silva Campos, coordenadora de educação do Senai.

O curso conta com formação cidadã, que trabalha empreendedorismo, meio ambiente, segurança no trabalho, a contribuição das mulheres na riqueza mundial, desigualdade de gênero, e outros temas, além da formação profissional, focada na costura industrial, com aulas sobre as máquinas, montagem, consertos, corte e costura.

Mas não é só na formação o diferencial do curso. O horário das aulas é adaptado ao horário das escolas, e a Secretaria ainda conta com uma acadêmica de pedagogia que vai cuidar das crianças para que as mães possam dedicar-se totalmente às aulas.  Jocelia Jacinto é uma das alunas do curso e conta que a possibilidade de ter alguém para cuidar das crianças enquanto faz as aulas, foi decisivo para fazer a inscrição. “Sinto segurança em deixar a minha filha na brinquedoteca enquanto estou estudando. Muitas vezes a gente deixa de fazer coisas por causa dos filhos, por não ter com quem deixar, mas agora posso fazer o curso, tentar um emprego e ainda trabalhar em casa”, disse Jocelia.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Senai, as mulheres são as mais impactadas pela falta de acesso à profissionalização por não conseguirem conciliar trabalho e família, além de estarem mais vulneráveis ao desemprego, por ocuparem trabalhos mais precários, pela falta de profissionalização. “Queremos oportunizar as mulheres. Com um curso profissionalizante elas têm mais chance de ter uma profissão e renda. As mulheres ainda sofrem com desigualdades de acesso ao mercado de trabalho, e por isso a Secretaria quer capacitar as guarapuavanas”, explica a vice-prefeita e secretária de políticas para as mulheres, Eva Schran.

Colaboração Assessoria de Imprensa.