28°
Máx
17°
Min

Miguel Sanches Neto lança a ‘Bíblia de Che’

(Foto: Divulgação) - Miguel Sanches Neto lança a ‘Bíblia de Che’
(Foto: Divulgação)

O escritor paranaense Miguel Sanches Neto destaca o romance como a confluência de todos os gêneros e, neste universo, acaba de lançar A Bíblia do Che (Companhia das Letras), obra que revela em sua narrativa um esquema de propina e corrupção. Trata-se de seu novo romance que traz em suas páginas a marca da trajetória do autor e do professor de Literatura Brasileira, do Departamento de Estudos da Linguagem (DEEL) da UEPG. O autor também publicou pela Companhia das Letras ‘A máquina de madeira’, livro traduzido para o francês e finalista dos prêmios São Paulo e Portugal Telecom. Escreveu mais de 30 livros entre romances, crítica, poesia, crônicas, contos, com destaque para ‘Um amor anarquista’ e ‘A primeira mulher’.

A Bíblia do Che já está nas livrarias e resgata o herói do romance ‘A primeira mulher’. O professor Carlos Eduardo viveu a última década em reclusão total. Morando no centro comercial de Curitiba, o professor quer distância das mulheres e dos criminosos que marcaram sua última aventura, e passa os dias entre o consultório abandonado de odontologia onde vive e uns poucos restaurantes à sua volta. Sua paz é interrompida pela visita de um velho conhecido, um operador financeiro que quer contratá-lo para uma missão insólita: localizar um exemplar da Bíblia com anotações que Che Guevara teria feito durante uma passagem pelo Brasil.

Rede de Crimes

A história conta que, numa temporada clandestina em Curitiba, Che teria se disfarçado de padre e carregado uma bíblia, em cujas margens fez supostos comentários. Para além da incerteza que ronda a jornada do revolucionário pelo país, a tarefa tem um complicador, justamente na forma de uma dama fatal, a esposa do operador que o contratou. Peça chave no mistério da Bíblia do Che, Celina enlaça o professor ainda mais na teia de intrigas que circunda o misterioso livro. Em pouco tempo, o operador aparece morto e a investigação de Carlos Eduardo, que antes pertencia ao âmbito dos colecionadores de livros raros, evolui para uma rede de crimes, que envolve governo, construtoras, dinheiro sujo de campanha e caixa dois.

A busca colocará o professor no centro de um furacão político que assola o país. Entre empreiteiros corruptos, políticos escusos e paixões desmedidas — que ele não pôde evitar —, Carlos Eduardo precisa percorrer um labirinto de mentiras e intrigas que pode significar a sua própria morte. Um dos grandes romancistas brasileiros em atividade, Miguel Sanches Neto faz do suspense e do mistério terreno fértil para uma reflexão sobre vida, morte, poder e arte. O romance trata de escândalo político e tem inspiração na Operação Lava Jato.

Colaboração Assessoria de Imprensa.