21°
Máx
17°
Min

Museu Oscar Niemeyer abre mostra do fotógrafo Valdir Cruz

(Foto: Valdir Cruz) - Museu Oscar Niemeyer abre mostra do fotógrafo Valdir Cruz
(Foto: Valdir Cruz)

O Museu Oscar Niemeyer vai abrir no dia 19, uma sexta-feira, às 19 horas, na sala 7, a mostra “Valdir Cruz: Imago – o olhar do sabiá”. Vivendo em Nova Iorque (Estados Unidos) desde 1978, o artista expõe em Curitiba o resultado de um trabalho desenvolvido ao longo de mais de 30 anos no Estado do Paraná.

No dia da abertura, haverá um bate-papo, às 18 horas, com o artista e o curador da mostra Rubens Fernandes Junior, no Miniauditório. A entrada para a conversa e a abertura será gratuita. A escolha da data de abertura é uma homenagem ao Dia Internacional da Fotografia. A mostra segue até o dia 4 de dezembro no MON.

Com curadoria de Rubens Fernandes Junior, a mostra trata de três temas – que se transformaram em três livros – todos relativos ao Paraná: Catedral Basílica de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais (1991 a 1993), com 30 obras; o ensaio O caminho das águas (1994 a 2005), que possui 14 fotografias; e o ensaio Guarapuava (1982 – 2011), composto por 36 fotografias da cidade natal do artista, que juntos somam um total de 80 imagens.

O projeto da Catedral Basílica Nossa Senhora da Luz dos Pinhais foi feito todo em fotografia de grande formato, ou seja, chapas em negativo de 18 x 24 cm. “A ideia era trabalhar a luz de um ano sobre a catedral. Era o pensamento de que o desenho arquitetônico da catedral em um determinado momento do ano iria me oferecer luz natural internamente onde fosse necessário, e assim aconteceu”, diz o fotógrafo.

O equipamento utilizado para fotografar e a técnica de impressão das cópias também celebram a fotografia. O centenário da catedral ocorreu em 1993. A coleção foi exposta em Nova Iorque – Cathedral St John of Divine (1994) – na Capela de St Bonifacio, no Museu de Arte de São Paulo – Masp (1996), e chega agora a Curitiba pela primeira vez, nesta mostra no Museu Oscar Niemeyer.

“O que caracteriza os ensaios de Valdir Cruz é seu trabalho bastante singular nos dias de hoje, registrado em chapas de grande formato e seus sofisticados processos de impressão – gelatina de prata, platina e paládio, impressão digital com tinta mineral de longa permanência.”, ressalta o curador Rubens Fernandes Junior.

O caminho das águas se concretizou após uma extensa pesquisa sobre as quedas d'água no Paraná entre os anos de 1994 - 2005. Também em formato grande chapas, em negativo, no tamanho de 10 x 12 cm.

O curador complementa: “Valdir Cruz sempre se manteve ligado às suas raízes: o ensaio sobre a Catedral é um importante documento sobre a edificação, o desenho das luzes no seu interior e, acima de tudo, um testemunho de fé; o ensaio sobre as Águas mostra a exuberância das quedas d’águas e das cachoeiras, bem como a diversidade da paisagem do interior do Paraná; e o ensaio Guarapuava é um verdadeiro testemunho visual, autobiográfico e com alguma nostalgia do filho pródigo”.

Um dos procedimentos adotados pelo artista, de acordo ainda com o curador, que revela um diferencial, é o acompanhamento de todas as etapas da realização da imagem, controles técnicos necessários para garantir a qualidade capaz de surpreender mesmo os olhares mais desatentos. Depois de revelado o negativo é escaneado em alta resolução para depois ser impresso, ampliado e digitalizado, com vários pigmentos (cinzas e pretos) que criam uma atmosfera diferenciada.

"O trabalho de Valdir Cruz é singular, pois não só encanta como surpreende pela maestria artística conseguida a partir de temas muitas vezes simples, mas que o artista retrata com sensibilidade única e indescritível", comenta o secretário de Estado da Cultura, João Luiz Fiani.

Trajetória

Valdir Cruz nasceu em Guarapuava, no sul do Paraná, em 1954. Embora esteja vivendo nos Estados Unidos há mais de 30 anos, o principal foco de seu trabalho em fotografia é o povo e a paisagem do Brasil. De 1995 a 2000, concentrou-se em Faces da Floresta, projeto que documentou a vida dos povos indígenas do norte da Amazônia brasileira e que lhe valeu, em 1996, uma bolsa da Fundação Guggenheim.

Seu trabalho está presente nas coleções permanentes do Museu de Arte de São Paulo (Masp), Museum of Modern Art (MoMA), de Nova Iorque, Museum of Fine Arts, de Houston, e do Smithsonian Institute, em Washington, D.C., entre outras. Valdir Cruz divide seu tempo entre seus estúdios em Nova Iorque e São Paulo.

 Publicou os seguintes livros: Guarapuava (São Paulo. Terra Virgem Edições, 2013), patrocínio Banco Mizuho do Brasil S.A. e Caminhos do Paraná S.A.; Bonito: Confins do Novo Mundo (Rio de Janeiro. Capivara Editora, 2010), patrocínio BNP Pariba; Raízes: Árvores na paisagem do Estado de São Paulo (São Paulo. Imprensa Oficial, 2010); O caminho das águas (São Paulo. Cosac Naify, 2007), patrocínio Fundação Stickel; Carnaval, Salvador, Bahia 1995-2005 (Nova Iorque. Throckmorton Fine Art, 2005); Faces da Floresta: Os Yanomami (São Paulo. Cosac Naify, 2004); Faces of the rainforest: The Yanomami (Nova Iorque. powerHouse, 2002), apoio Fundação Guggenheim; Faces of the rainforest (Nova Iorque. Throckmorton Fine Art, 1997); Catedral Basílica de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais (Nova Iorque. Brave Wolf Publishing, 1996), apoio Associação Cultural Avelino A. Vieira – Bamerindus.

Serviço

“Valdir Cruz: IMAGO – o olhar do sabiá”.
Data: 19 (sexta-feira).
Bate-papo com Valdir Cruz e Rubens Fernandes Junior
Horário: 18 horas
Local: Miniauditório


Abertura da mostra
Horário: 19h
Local: Sala 7

Entrada gratuita para ambos os eventos
Até dia 4 de dezembro de 2016
Visitação: terça a domingo das 10h às 18h
Ingressos: R$ 12 e R$6 (meia-entrada)


Dias e horários especiais
Toda quarta gratuita com programação especial: 10h às 18h
Primeira quinta do mês: horário estendido até 20h, gratuito após as 18h.
Domingo + Arte: programação especial todos os domingos


Museu Oscar Niemeyer
Rua Marechal Hermes, 999
41 3350 4400
museuoscarniemeyer.org.br
Facebook e twitter:monmuseu
Instragram: museuoscarniemeyer

Colaboração: Agência Estadual de Notícias