26°
Máx
19°
Min

Semeando Maracatu leva oficinas gratuitas para o espaço cultural FLAPT

(foto: divulgação) - Semeando Maracatu leva oficinas gratuitas para o espaço cultural FLAPT
(foto: divulgação)

Desde o início de junho, o projeto Semeando Maracatu leva oficinas de batuque, dança e confecção de instrumentos para o espaço cultural FLAPT, na zona norte de Londrina. Com encontros semanais, as oficinas são gratuitas, abertas à comunidade e recebem público de todas as idades. O projeto, organizado pelo grupo de maracatu de baque virado Semente de Angola, foi idealizado a  partir da vontade  de semear o Maracatu em outras regiões que não só o centro de Londrina - onde os ensaios do grupo já acontecem há 6 anos.

Nesta quarta-feira, 24, e sábado, 27, as oficinas tem  uma convidada especial.  A  Mestra Joana D'arc, única Mestra de Maracatu da história, vem do Recife especialmente para ministrar as oficinas do projeto. Mestra Joana, além de ser regente e mãe de Santo, também é figura importante na luta pelo fim da violência contra a mulher e por sua emancipação

A Oficina com Mestra Joana acontece nesta quarta, dia 24, às 15h e no sábado, 27, o 14h, ambas no espaço Cultural Flapt, localizado na Zona Norte, Rua Lino Sachrtin, 497

Sobre o Maracatu

O maracatu é um ritmo pernambucano que mistura batuques e danças afrobrasileiras. Sabe-se que o ritmo tem mais de 300 anos de história e, atualmente, são mais de vinte grupos de Maracatu só nos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. No ano de 2010, em Londrina, fundou-se o grupo Maracatu Semente de Angola, idealizador do projeto “Semeando Maracatu”.

 Desde então o grupo vem estudando a manifestação da tradição e do “baque” (ritmo) da Nação de Maracatu Porto Rico de Recife-PE, fundado há quase cem anos, em 1916. Através dos instrumentos – alfaias e atabaques, taróis e caixas, agbê, agonguê e ganzá – e das loas (canções que carregam ancestralidade), o coletivo busca fortalecer e disseminar a cultura afro-brasileira através do campo artístico e musical.