21°
Máx
17°
Min

Miguel Falabella inicia participação em ‘Wicked’

(Foto: Divulgação)  - Miguel Falabella inicia participação em ‘Wicked’
(Foto: Divulgação)

"Eu não queria morrer sem antes atuar no teatro Renault." Com essa frase, misto de ironia e alegria, o ator, diretor e escritor Miguel Falabella aceitou o convite para fazer uma participação especial no musical Wicked, em cartaz em São Paulo - até domingo, 18, ele vai representar o Mágico de Oz, substituindo momentaneamente Sérgio Rufino.

A ação inicia uma tradição já comum na Broadway, a da presença extraordinária de uma estrela em um grande espetáculo. Depois de Falabella, o ator Gabriel Leone vai interpretar Fiyero nas apresentações dos dias 1.º e 2 de outubro. "Fiquei emocionado com o convite e logo retomei minhas aulas de canto, pois, depois da euforia, descobri que o papel é para um tenor, ou seja, tenho de readequar minha voz", contou ele ao jornal "O Estado de S. Paulo"

.

Wicked é baseado no romance do mesmo nome, publicado em 1995, por Gregory Maguire. A origem da história foi sua curiosidade em saber o que se passava na terra de Oz antes da chegada da garotinha Dorothy.

Assim como Leone, Falabella participaria apenas de duas apresentações, mas, entusiasmado, o ator pediu para encenar todas as seis récitas da semana. "Tanto trabalho não poderia ser para apenas um par de atuações", comenta ele, que contou com dicas de Rufino, o titular no papel. "Ele foi de uma extrema gentileza. Por isso, eu já o convidei para fazer uma participação no seriado que estou gravando na Globo."

Trata-se de Brasil a Bordo, programa previsto para estrear em outubro, depois do Fantástico. Serão doze episódios sobre uma companhia aérea à beira da falência. "Para que os donos possam saldar as dívidas, um juiz autoriza a continuidade dos voos. Mas é uma loucura, pois os passageiros sofrem arrastão, tem moleque vendendo comida, os comissários brigam entre si, enfim, um retrato do Brasil", explica Falabella, que conta com velhos amigos no elenco: Ney Latorraca, Arlete Salles e Luis Gustavo.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.