23°
Máx
12°
Min

Artista plástica cria roupas com camisinhas para conscientização sobre Aids

Dior, Chanel, Balenciaga e Valentino são as principais inspirações de Adriana Bertini para criar seus vestidos de festa, todos feitos a mão, em um processo que se assemelha aos trabalhos artesanais de costureiros de ateliês de alta-costura. Porém, em vez seda, algodão e cristais bordados, a artista plástica brasileira usa uma matéria prima inusitada para suas peças: camisinhas.

O projeto Condom Couture surgiu em 1996, quando Adriana era voluntária do Grupo de Apoio à Prevenção da Aids, na comunidade paulistana de Heliópolis, e recebeu o desafio de fazer uma intervenção de rua com 144 preservativos que já estavam fora do prazo de validade. Desde então, a artista expandiu o número de peças feitas de camisinhas. Ela já expôs seu trabalho em museus na Ásia, África, Europa e América, e atraiu a atenção de artistas como Richard Gere, que hoje é parceiro do projeto com a Richard Gere Foundation, e do músico Elton John.

Além de terem status de arte, as roupas confeccionadas por Adriana servem como forma de conscientização sobre o uso de preservativo e prevenção do vírus HIV. "Como fazer as pessoas usarem o preservativo antes da relação sexual se elas não têm intimidade com o objeto? Elas mal conhecem o toque e a textura", diz a artista. "Gostando ou não da minha obra, o público se identifica com as peças e questiona no sentido mais profundo o uso do preservativo."

O principal objetivo de Adriana, que também realiza projetos sociais com crianças portadoras do vírus do HIV, é ajudar a formar uma geração livre da Aids - uma meta distante. "A prevenção está falha. Fala-se do uso da camisinha, mas não em mudar o comportamento. No Brasil, o índice do uso de preservativo entre os jovens é de 60%, o que é pouco porque entre eles a incidência de HIV e Aids está subindo alarmantemente", afirma.