27°
Máx
13°
Min

Bethânia emociona na abertura da Bienal

(Foto: Valter Pontes/ Agecom) - Bethânia emociona na abertura da Bienal
(Foto: Valter Pontes/ Agecom)

"Eu, Maricotinha, aluna de escola pública, abrindo a Bienal do Livro. Não é lindo?". Foi assim que Maria Bethânia encerrou sua apresentação na sexta-feira, 26, não sem antes pedir desculpas por ter ultrapassado os 40 minutos combinados - não que alguém tenha achado ruim ouvi-la cantar e ler trechos de poemas e livros. A cantora, ligada ao universo literário há muito tempo, fez uma versão reduzida de seu show Bethânia e As Palavras, antes dos discursos habituais na cerimônia de abertura da Bienal Internacional do Livro de São Paulo - apenas o ministro da Educação, Mendonça Filho, evitou o microfone. Até 4 de setembro, são esperadas 700 mil pessoas no Anhembi.

Guimarães Rosa, Fernando Pessoa, Mia Couto, Manuel Bandeira, o professor da infância, Nestor Oliveira, que apresentou a poesia a Bethânia e Caetano. Eles e muitos outros, todos juntos, entre um verso e outro, uma música e outra, na voz de uma Bethânia toda de branco, cabelo preso quase até o fim do show, óculos de grau.

A Poetas Populares (Os nomes dos poetas populares / Deveriam estar na boca do povo / No contexto de uma sala de aula / Não estarem esses nomes me dá pena), de Antonio Vieira, ela emendou Trenzinho Caipira, num dos momentos mais bonitos - como foi quando ela cantou Romaria. A leitura de um longo trecho de Grande Sertão: Veredas também foi um dos pontos altos.

O moçambicano Mia Couto apareceu mais de uma vez. Dele, ela leu: "Agora, meu ouro é a palavra. Agora, a poesia é a minha única visita de família" e "Na escolinha, a menina propícia a erro disse que feminino de noiva é navio". "Que coisa linda", ela disse após ler esta última frase - e então cantou trecho de Oração ao Tempo.

Na sequência, leu Velha Chácara, de Manuel Bandeira, comentou sobre o aprendizado com Nestor de Oliveira, seu professor em Santo Amaro, na Bahia, e deu seu recado: "É possível, sim, uma boa e plena educação nas escolas públicas. Veja eu, Maricotinha, abrindo a Bienal do Livro. Beijinho no ombro". Ela voltou a repetir isso - sem a referência à Valeska Popozuda - no final.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.