22°
Máx
14°
Min

Beyoncé e Rihanna brilham no VMA 2016

Foi uma noite de empoderamento feminino. A expressão está na moda, mas é impossível não pensar nela ao ver Beyoncé e Rihanna quebrando tudo no palco. As duas brilharam no palco do Video Music Awards, o VMA, premiação da musical da MTV americana que rolou na noite de domingo, 28, em Nova York. Beyoncé, uma das primeiras a cruzar o red carpet, chegou ao lado da filha, Blue Ivy, e mostrou por que merece o apelido de Queen B.: seu look, desenhado por Francesco Scognamilio, tinha penas, transparência e era uma mistura de rainha das neves e fada.

Ela ainda trocaria de roupa outras quatro vezes. Destaque para o macacão Elie Saab, com que recebeu o prêmio de melhor videoclipe feminino, e para o casaco de pele Fendi, com que cantou a música "Dont Hurt Yourself", durante a apresentação de tirar o fôlego das canções do álbum "Formation". Rihanna também esbanjou looks, potência vocal, rebolado e poder. Abriu o VMA com uma produção rosa-bebê que unia macacão da Hood by Air e botas Comme des Garçons. Mais tarde, surgiu com produção com ar oitentista da francesa Vetements, grife mais badalada-cool-vanguardista do momento.

Por fim, ao receber o prêmio honorário da noite, o Michael Jackson Video Vanguard, a cantora lançou mão de um longo bufante de alta costura do estilista Alexandre Vauthier. "Rihanna criou um estilo próprio, que mistura marcas, épocas e influências", afirma o stylist Marco Gurgel, que assina campanhas e editorias de moda nacionais. "Ela mostra que não se vive mais de tendência ou imposição de uma marca sobre o que todos devem vestir."

Nesta linha, Kim Kardashian, mais magra do que nunca, também fez bonito ao chegar de cabelos molhados e um vestidinho muito sexy - nada menos que um John Galliano vintage.

Já Britney Spears, em seu grande retorno ao palco da premiação, não convenceu. Não apenas pelos looks sem graça (um pretinho básico no red carpet e um maiô amarelo brilhante no palco), mas pela falta de atitude e segurança ao vestir ambas as peças. Sobretudo quando comparada às outras mulheres da noite, que não estavam para brincadeira.