21°
Máx
17°
Min

Jazzista israelense entrou na música eletrônica sem querer

A história de Noga Erez é uma sequência de improbabilidades (Foto: Reprodução) - Jazzista israelense entrou na música eletrônica sem querer
A história de Noga Erez é uma sequência de improbabilidades (Foto: Reprodução)

A história de Noga Erez, jovem israelense de 26 anos, é uma sequência de improbabilidades. Até um ano atrás, a garota perseguia a carreira como musicista de jazz, se apresentava cheia de pompa, com voz e piano. O destino dela mudou, quando foi chamada para criar uma cover para a música Weapons, de Son Lux. Enveredou-se pelas batidas eletrônicas, foi convidada a se apresentar no gigantesco festival de música Primavera Sound, em Barcelona, e chegou ao Brasil.

Nascida em Tel-Aviv, integra uma espécie de time israelense que veio ao País pela música - a outra é Ester Rada, que integra a programação do Jazz na Fábrica, evento iniciado na quinta, 11, no Sesc Pompeia, e que vai até 28 de agosto. Noga foi atração dos shows dentro das atividades culturais dos Jogos Olímpicos nesta semana, no Boulevard Olímpico, na terça, 9, e quarta, 10. Depois de uma passagem por Curitiba, na quinta, a cantora virá a São Paulo. Seu show na cidade integra o projeto Balaclava Apresenta, na zona oeste da cidade. "Fui ao Corcovado", conta Noga, ao telefone, sobre seu período livre no Rio de Janeiro. "Era o lugar que deveríamos ir de qualquer maneira. Foi o que conseguimos fazer. De resto, ficamos andando pela praia, pelas ruas. Nosso hotel está em Copacabana, que é uma praia linda", ela conta.

A cover canção Weapons colocou Noga no radar do próprio autor da música, Son Lux, que a chamou para fazer a abertura das três noites dele em Tel-Aviv. Logo, o convite para o Primavera Sound e os shows pela cidade dela e arredores ajudaram a construir a fama da jovem. "Aquele cover me transformou como pessoa", ela revela. "Quando algo tão extremo acontece com você, ele vai transformar sua vida. De repente, as coisas que você faz, mudam. A música é o que você é. Se você muda o que é, a sua música será transformada também. Eu costumava sentar no meu quarto e tocar piano. Comecei a perceber novas nuances na música", comenta ainda.

A cantora conta que já tem um disco pronto para ser lançado, mas depois de ver tudo acontecendo tão rapidamente ao seu redor, preferiu esperar. "Chegará em breve", ela disfarça. Na internet, ainda existem poucas informações sobre ela ou músicas para se ouvir. Há, por exemplo, uma versão de Where Did You Sleep Last Night, já gravada por Nirvana, e a inédita Same Things. "Estamos tentando fazer dar certo."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.