26°
Máx
19°
Min

Com futuro incerto, Massa minimiza opções para sua vaga e declara amor à Williams

O contrato de Felipe Massa com a Williams termina no final do ano e o futuro do piloto brasileiro é um dos assuntos mais comentados no automobilismo. Na Fórmula 1 desde 2002, o veterano concedeu entrevista exclusiva ao site oficial da categoria e disse que a definição será em breve.

Massa ainda minimizou eventuais substitutos que foram ventilados pela escuderia e declarou amor à Williams, dando a entender que sua intenção é continuar onde está. "Amo trabalhar na Williams. É uma equipe ótima. Tenho essa equipe no meu coração. Acho que a gente precisa de um pouco mais de tempo para entender o que está acontecendo. Na verdade, o que acontecerá em 2017", comentou.

O brasileiro está na Williams desde a temporada 2014 e nunca obteve uma vitória pela escuderia. Seu melhor resultado nesses dois anos e meio de disputa foi um segundo lugar no GP de Abu Dabi em 2014 - ele ainda tem quatro terceiros lugares.

Nesta temporada, ele não conseguiu ainda nenhum pódio. Massa teve até aqui um de seus piores desempenhos desde que estreou na categoria. Seus melhores resultados neste ano foram dois quintos lugares - no GP da Austrália e no GP da Espanha. Por isso, ele também comentou que está analisando propostas de outras equipes.

"Estou analisando tudo, inclusive vendo isso comigo mesmo (risos). Só depois de analisar tudo isso acho que vou chegar na resposta certa. Tenho certeza de que encontrarei uma resposta daqui a pouco tempo", comentou.

Claire Williams, chefe da escuderia, chegou a comentar abertamente que Jenson Button e Sergio Pérez, hoje respectivos pilotos da McLaren e Force India, também podem estar na equipe no próximo ano. Mas, para Massa, isso não é um agravante para definir seu futuro.

"Não é uma novidade para mim. É natural que a equipe procure sempre o melhor. Ou o que eles acreditem que seja o melhor sob certas circunstâncias. Jenson é um grande piloto e Sergio tem mostrado que tem evoluído bastante. E é normal que a equipe analise outras opções se tem um lugar no cockpit para preencher. Isso é normal no esporte", minimizou.

PILOTO DE RESULTADOS - Massa acredita que ainda pode fazer a diferença na Fórmula 1 e quer transmitir o conhecimento que adquiriu nos últimos anos. Sua intenção inicial é permanecer na Williams. Mas, se não der, comentou que pode ir para outra equipe. No entanto, em ambos os casos ele disse que, se não houver possibilidade de ser competitivo, ele prefere parar. "Quero alcançar resultados, não estou aqui para fazer número. Se não aparecer nada, procurarei coisas diferentes."

Sobre a temporada regular da Williams, considerada a quarta força da Fórmula 1, Massa não teve muito o que explicar. No entanto, ele admitiu que talvez o foco no preparo dos carros já esteja na próxima temporada.

"É verdade que muitos carros do grid não estão fazendo muitas mudanças já há algumas corridas. Isso é uma indicação que o pessoal já está de olho em 2017, e isso inclui a gente. Provavelmente, paramos o desenvolvimento em 2016 cedo demais. E claro que isso não ajuda para este ano. Mesmo assim acredito que a briga pelas posições intermediárias ainda será intensa", comentou.

Massa participou nesta sexta-feira dos treinos livres para o GP da Bélgica. O brasileiro, que havia sido apenas o 12º colocado no primeiro treino do dia, foi ainda pior na segunda sessão ao conseguir apenas a 17ª colocação, logo atrás do seu companheiro de equipe, o finlandês Valtteri Bottas.

"Foi um dia de muitas dificuldades. O Valtteri também não conseguiu extrair o máximo do carro. Na primeira sessão foi um pouco melhor, mas ainda longe do que a gente pretendia. Tentamos algumas coisas. Mas essa é uma corrida cheia de alternativas. No domingo pode haver algumas surpresas, pois os pilotos podem fazer a diferença aqui", finalizou.