23°
Máx
12°
Min

Com Raikkonen, Ferrari volta a ser mais rápida no último dia de testes da F1

A primeira semana de treinos livres da temporada 2016 da Fórmula 1 chegou ao fim nesta quinta-feira, em Barcelona, mostrando uma Ferrari aparentemente reabilitada. Assim como já havia acontecido na segunda e na terça-feira, um carro da equipe italiana foi o mais rápido dos testes desta quinta, desta vez pela pilotagem de Kimi Raikkonen, que assumiu o cockpit que foi de Sebastian Vettel nos dois primeiros dos quatro dias de treinos livres.

Raikkonen conduziu a Ferrari a 80 voltas no Circuito de Montmeló, em Barcelona, nesta quinta-feira, marcando a volta mais rápida em 1min23s477, cerca de meio segundo mais lento do que o melhor tempo desse período de treinos: os 1min22s810 de Sebastian Vettel, na terça-feira, também com o SF16-H, novo modelo da equipe italiana.

Assim como aconteceu nos dias anteriores, a Mercedes se destacou mais pelo tempo na pista do que pelas voltas rápidas. A equipe, que dominou as últimas duas temporadas da F1, dividiu a sessão desta quinta-feira entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton que, juntos, somaram 185 voltas, o equivalente a quase três provas completas do GP da Espanha, que no ano passado teve 66 voltas.

Nico foi um pouco mais veloz que Hamilton, mas eles marcaram apenas o sétimo e o oitavo tempos do dia, quase 3 segundos mais lentos do que Raikkonen. O importante, entretanto, foi testar a resistência do novo carro. "Isso é incrível. Eu nunca vi nada como isso. (O carro) apenas ia indo, indo, indo...", comentou Lewis Hamilton, atual bicampeão da categoria. Em quatro dias, a Mercedes deu 675 voltas em Montmeló, sem apresentar problemas expressivos no carro.

"O carro parece forte, parece forte. A gente ganhou dois campeonatos e, indo para o terceiro ano, você poderia pensar que é fácil para a gente perder o foco, mas todos estão mais focados do que antes e fizeram um trabalho ainda melhor no sentido de construir um pacote completo", elogiou Hamilton.

Enquanto isso, a McLaren segue sofrendo. Se entre segunda e terça-feira tudo correu relativamente bem, na quarta Jenson Button só deu 51 voltas por causa de uma problema hidráulico. Nesta quinta, o dia inteiro foi perdido para que a equipe identificasse e corrigisse um vazamento de óleo. Fernando Alonso assistiu a tudo e só deu três voltas, sem marcar tempo.

Red Bull e Force India voltaram a ocupar o segundo e o terceiro lugares em voltas rápidas, só atrás da Ferrari. O russo Daniil Kvyat, com a Red Bull, ficou a 0s816 de Raikkonen, enquanto o mexicano Alfonso Celis, piloto de desenvolvimento da Force India, fez o terceiro tempo, a 1s363 do finlandês.

Dois brasileiros estiveram no treino livre desta quinta. Felipe Nasr conseguiu dar 121 voltas com a Sauber e marcou o sexto tempo, atrás também do dinamarquês Kevin Magnussen, da Renault, que deu 153 voltas, e do holandês Max Verstappen, que deu 110 giros com a Toro Rosso. Felipe Massa teve problemas, ficou só 54 voltas na pista, e deixou a Williams em nono.

Novato na Fórmula 1, o indonésio Rio Haryanto, que chegou à Manor financiado pela empresa petrolífera estatal do seu país, saiu da pista pelo segundo dia consecutivo. Na antiga Marussia, deu 51 voltas e fez, na sua melhor volta, um tempo quase 5s mais lento do que o e Raikkonen. Já o mexicano Esteban Gutierrez teve problemas mecânicos com a novata Haas.

As equipes da Fórmula 1 voltam a realizar treinos livres na semana que vem, de terça a sexta-feira. A temporada começa no próximo dia 20 de março, na Austrália.