26°
Máx
19°
Min

Indy nega concussão e libera volta de Will Power na próxima prova

Will Power não sofreu uma concussão antes da corrida de abertura da temporada 2016 da Fórmula Indy, em São Petersburgo, nos Estados Unidos, no último fim de semana, quando o australiano estava provavelmente apenas sofrendo com uma infecção interna no ouvido.

Power foi impedido de participar da corrida no último domingo, quando os sintomas que ele tinha pareciam ser indicativos de uma concussão. Dois dias antes, ele sofrera acidente durante um treino livre, e passou a se sentir mal depois de conquistar a pole position no último sábado.

Os médicos da Indy, então, examinaram Power na manhã que antecedia a prova e determinaram que o australiano teve uma leve concussão. Nesta quarta-feira, a IndyCar explicou que exames realizados posteriormente no Programa de Concussão da Universidade de Miami não mostraram evidência de uma concussão.

Assim, Power está liberado para voltar a correr na próxima etapa da Indy, que está marcada para 27 de março, em Phoenix. "Os médicos da Universidade de Miami concluíram que os sintomas de Power podem ter sido relacionados a uma persistente infecção interna do ouvido para a qual ele estava sendo tratado", disse o médico Terry Trammell, consultor de segurança da IndyCar. "Não há nenhuma evidência de que ele sofreu uma concussão no acidente na sexta-feira".

Power chegou a São Petersburgo sofrendo com uma infecção no ouvido. Ele teve um acidente na sexta-feira, foi avaliado, mas por não ter mostrado sinais de lesão, acabou sendo liberado para voltar ao seu carro pelo diretor médico da IndyCar, Geoffrey Billows.

No dia seguinte, Power faturou a pole position, quebrando o seu próprio recorde da pista três vezes. Mas ele tinha náuseas e nem participou da entrevista coletiva pós-treino. No domingo, então, voltou a ser avaliado.

A IndyCar explicou nesta quarta-feira que Power não passou em um teste de concussão, com os médicos presumindo que ele havia tido uma. Assim, foi vetado da corrida, sendo substituído pelo espanhol Oriol Servia na prova, vencida pelo colombiano Juan Pablo Montoya.