24°
Máx
17°
Min

Troféu Brasil de Atletismo chega ao fim com enxurrada de índices no último dia

Depois de três dias de poucas emoções, o Troféu Brasil de Atletismo chegou ao fim neste domingo, em São Bernardo do Campo (SP), com uma série de bons resultados. Na última das 15 finais desta manhã, o Pinheiros ganhou da BM&F Bovespa numa chegada apertada no revezamento 4x400 metros masculino e conquistou o título geral da competição. Há 14 anos o clube de São Caetano do Sul (SP) era campeão.

Acabou pesando contra a BM&F a ausência de Ana Cláudia Lemos, demitida após ser suspensa por doping - a explicação oficial é que ela admitiu o consumo de um medicamento sem consentimento do clube. Com ela, a BM&F muito provavelmente reverteria a diferença de 2,5 pontos que fez do Pinheiros campeão: 463 a 460,5. A Orcampi/Campinas terminou em terceiro e a ASA/São Bernardo em quarto, como de costume acontece.

Mas a etapa deste domingo do Troféu Brasil foi muito mais do que uma disputa entre clubes. Foi também a última oportunidade para que atletas brasileiros obtivessem índice para os Jogos Olímpicos. Neste domingo acaba o prazo estipulado pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), ainda que a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) aceite marcas feitas até 11 de julho.

A maior parte dos índices saiu nas provas de 200 metros. No masculino, Jorge Henrique Vides, de 23 anos, venceu com 20s40, correndo pela primeira vez abaixo dos 20s50 necessários. Vitor Hugo dos Santos chegou em segundo, com 20s50, mas não deve ser convocado para essa prova. As vagas devem ficar com Bruno Lins e Aldemir Gomes, que fizeram o índice antes, mas a CBAt só vai revelar a convocação às 15h.

Entre as mulheres, vitória de Kauiza Venâncio, com 22s93. Ela já tinha corrido abaixo do índice de 23s20, mas agora melhorou a marca e se garantiu na Olimpíada tanto nos 200m quanto no revezamento 4x100m. Rosângela Santos ratificou o índice, com exatamente 23s20, e, além dos 200m e do revezamento, também vai estar nos 100m. Jailma de Lima fez 23s30 e quase entrou no revezamento.

No salto triplo, vitória e índice para Núbia Soares, com 14,17m, ficando dois centímetros acima do mínimo necessário. Keila Costa, que também está garantida nesta prova (e no salto em distância) no Rio-2016, terminou em segundo, com 14,02m.

Geisa Arcanjo ratificou o índice no arremesso de peso. Ela marcou 17,79m e saiu lamentando não ter alcançado os 18 metros. Já Gabriel Constantino ficou no quase nos 110m com barreiras. Ele venceu a prova em 13s50, a três centésimos do índice. Ficou à frente de Eder Souza (segundo) e João Vitor Oliveira (quinto), que vão à Olimpíada.

No salto com vara, Fabiana Murer bateu o recorde sul-americano, saltando 4,87m e, pela primeira vez, quebrando a barreria dos 4,85m, na qual ela mesmo admite que estava "empacada". Joana Ribeiro Costa surpreendeu e também fez índice, com 4,50m.