22°
Máx
16°
Min

Professores levam esportes radicais para escolas municipais

Professores levam esportes radicais para escolas municipais

Professores da Secretaria da Educação de Ponta Grossa estão inovando nas aulas de Educação Física. Através do projeto Professor Multiplicador, uma equipe de oito profissionais da rede municipal está levando para as escolas experiências pessoais na área dos esportes radicais, oferecendo para as crianças uma atividade educativa, lúdica e que está tendo reflexos positivos dentro da sala de aula – além de ser muito divertida, é claro.

Por meio da iniciativa, professores que já são experts em rapel, tirolesa, slackline, skate e outros esportes, propõem desafios aos alunos, que na prática destas atividades desenvolvem a coragem, vencem obstáculos e aprimoram outros tipos de inteligência, entre elas a emocional e afetiva. “A Educação Física tem este papel de oferecer desafios. Aqui com os professores de esportes radicais, com toda a segurança, eles levam para a vida a confiança necessária ao esporte e vencem vários medos. Se algum dia ela enfrentar uma situação de stress, de risco, ela vai ter coragem para enfrentar. Aqui eles sempre acham que não vão conseguir fazer, mas fazem”, conta o professor Maurício Kusnik, coordenador da ideia.

Diretora da Escola Municipal Maria Elvira Justus Schimidt, em Guaragi, a professora Giovane do Rocio Antoniacomi vê reflexos positivos nas outras aulas do grupo de 60 alunos. “É um desafio para eles. Eles têm que saltar, subir, escalar, e sempre confiando no professor. Essa confiança se reflete nas outras aulas. O aluno sabe que o professor é alguém preocupado com ele, quer que ele aprenda, torce por ele, e isso é benéfico para os estudos também”, acredita.

Além de realizar as aulas com toda a segurança necessária, a jovem Jenifer Ferreira Padilha, da 4ª série, ficou empolgada com a atividade. “Eu gostei de fazer, porque tudo faz parte do esporte e também é muito legal. Eu passei três vezes nas cordas e tem meninos que não foram”, diz, comparando seu desempenho. William dos Santos aprovou o slackline, fita esticada entre duas árvores onde é preciso se equilibrar. “Legal! Nunca teve isso aqui”, conta, empolgado.

Colaboração Assessoria de Imprensa.