24°
Máx
17°
Min

Diretores de órgãos aéreos da Bolívia são afastados

(Foto: Divulgação) - Diretores de órgãos aéreos da Bolívia são afastados
(Foto: Divulgação)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ministério de Obras Públicas da Bolívia ordenou a suspensão de executivos dos órgãos controladores da aviação no país dois dias após a tragédia no voo da Chapecoense.

O avião decolou da Bolívia em direção à Colômbia, onde houve a queda.

Os afastamentos ocorrem nos corpos diretores da DGAC (Direção Geral de Aeronáutica Civil, responsável pelo registro de pilotos e aeronaves) e na Aasana (Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea, que cuida da liberação de voos, infraestrutura aeroportuária e controle aéreo).

Em entrevista coletiva, o ministro boliviano Milton Claros disse que fará uma investigação exaustiva sobre o caso e determinou a troca dos executivos para evitar eventual obstrução de provas de possíveis ligações da empresa LaMia com os órgãos.

“Não estamos responsabilizando ninguém pessoalmente, mas achamos conveniente que os executivos sejam suspensos

durante as investigações.”

Ele ratificou ainda que a LaMia teve alicença para voar suspensa e disse que a investigação contemplará a permissão que a empresa tinha para voar, além de averiguar aorigem do capital dos proprietários da companhia.

Segundo o representante da LaMia, Gustavo Vargas, a aeronave não cumpriu o plano de reabastecer o combustível.