22°
Máx
16°
Min

Atual bicampeão, Sevilla empata na Ucrânia e fica perto da final da Liga Europa

Atual bicampeão da Liga Europa, o Sevilla deu passo importante para chegar a mais uma final da competição nesta quinta-feira, ao arrancar um ótimo empate por 2 a 2 com o Shakhtar Donetsk na Ucrânia. Com o resultado, o time espanhol pode até empatar por 0 a 0 ou 1 a 1 na volta, em casa, quinta que vem, que avançará à decisão. Ao Shakhtar, resta a vitória ou empate por no mínimo 3 a 3.

Quatro vezes campeão do torneio, o Sevilla mostrou que tem mesmo uma ligação especial com a Liga Europa e fez ótima partida nesta quinta, enquanto o Shakhtar viu seus bons momentos se limitarem a alguns minutos do primeiro tempo. A nota triste ficou por conta da grave lesão sofrida pelo meia Michael Krohn-Dehli, do time espanhol, que chocou todos os jogadores em campo e até os torcedores na arquibancada.

Mesmo fora de casa, o Sevilla foi para cima nos primeiros minutos e não demorou para abrir o placar. Logo aos seis minutos, Banega tocou no meio para Gameiro, que achou Vitolo na direita. O meia invadiu a área e ainda cortou o defensor Rakitskiy antes de bater entre as pernas do goleiro.

Só que o gol não esmoreceu o Shakhtar. Pelo contrário, a equipe cresceu e foi para cima, comandada pela boa atuação de Marlos, que deixou tudo igual aos 22 minutos. Ele recebeu lançamento perfeito de Rakitskiy, dominou no peito e tocou com categoria. Aos 35, o próprio Marlos fez boa jogada pela esquerda após escanteio curto e cruzou na cabeça de Stepanenko, que testou firme para a rede.

No segundo tempo, o duelo seguiu equilibrado. O Sevilla até ficava mais com a bola, mas pouco assustava. Até que aos 26 minutos, aconteceu a grave lesão de Krohn-Dehli. Sozinho, no meio de campo, o jogador caiu urrando de dor no joelho esquerdo e deixou o gramado chorando muito. Depois, as câmeras de tevê mostraram as imagens e a contusão lembrou muito a de Ronaldo quando atuava pela Inter de Milão, em jogo contra a Lazio, em 2000.

O estádio ficou em silêncio, jogadores de ambos os lados mostraram comoção com o momento do colega, mas o Sevilla pareceu criar forças e cresceu na partida. Aos 29 minutos, Escudero cruzou da esquerda, Gameiro desviou e marcou, mas a arbitragem marcou impedimento duvidoso.

Gameiro era o homem mais acionado no ataque espanhol e perdeu grande chance aos 31, quando recebeu enfiada de bola perfeita de Banega, ficou de frente para o gol, mas isolou. Aos 34, foi a vez de Vitolo fazer grande jogada pela direita e tocar cruzado na saída do goleiro. Gameiro marcaria com o gol vazio, mas Kucher salvou quase embaixo da linha.

Parecia que o dia não era de Gameiro, mas tudo mudou no minuto seguinte. Vitolo foi novamente acionado pela direita e cortou Ferreyra, que chegava no carrinho e o atingiu com o pé direito. O árbitro viu pênalti. O atacante francês cobrou quase no meio do gol e empatou para selar o placar.