22°
Máx
14°
Min

Clubes discutem criação de Liga Sul-Americana e cogitam Libertadores prolongada

Uma Copa Libertadores que seja disputada durante toda a temporada, nos moldes do que ocorre na Europa, mais especificamente na Liga dos Campeões. A ideia ainda é embrionária, mas já é discutida pelos dirigentes do futebol sul-americano, que estão reunidos nesta quinta feira no Morumbi. O encontro tem como objetivo principal discutir o Estatuto da Liga Sul-Americana de Clubes, mas questões como calendário e premiação também são abordadas.

Os principais clubes do continentes estão reunidos pela terceira vez. São 32 agremiações de 10 países. Os dirigentes querem aproveitar o momento delicado por que passa a Conmebol para se fortalecerem e até tomar o poder, caso a entidade não passe a agir com mais transparência e também destinem mais dinheiro aos clubes que disputam suas competições.

Nesse caso, a Liga seria responsável por organizar a Libertadores ou torneio equivalente. "A gente quer formalizar neste momento a Liga, em seguida, lutaremos por mais transparência e melhor distribuição das cotas de TV", disse o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello.

Ele, porém, ainda acha cedo para discutir um calendário com Libertadores anual. "Precisamos primeiro chegar a uma agenda comum", prefere o dirigente rubro-negro, embora seja simpático à ideia. Mas há defensores mais enfáticos, como Roberto Andrade, presidente do Corinthians. "Temos de fazer o que for melhor para todos", pondera.

Andrade, na verdade, está mais preocupado - como aliás todos os presidentes - em ganhar mais dinheiro dos torneios sul-americanos. O dinheiro das TVs, aliás, é uma das caixas pretas da Conmebol. Os dirigentes já pediram cópias dos contratos de transmissão das competições, mas até agora não receberam.

O máximo que a Conmebol fez diante da chiadeira foi dobrar a cota paga por jogo da Libertadores de US $ 300 mil para US $ 600 mil. "Bom não está, mas é melhor do que a gente tinha até então", diz Andrade.

Com a Conmebol enfraquecida por envolvimento de vários de seus dirigentes em escândalos de corrupção, os clubes acham que chegou a vez deles. "Temos de conduzir e não sermos conduzidos", defende o presidente do Santos, Modesto Roma Júnior. "O mais importante é que a Liga está crescendo e temos de aproveitar que toda crise oferece uma oportunidade para resgatar a credibilidade do futebol", acrescentou Daniel Angelini, presidente do Boca Juniors.