21°
Máx
17°
Min

Com a retomada da Copa do Brasil, Atlético recebe a Chapecoense para o primeiro jogo

(Foto: Robson De Lazzari/Rede Massa) - Atlético recebe a Chapecoense pela Copa do Brasil
(Foto: Robson De Lazzari/Rede Massa)

O Atlético Paranaense se prepara para uma verdadeira ‘maratona’ de jogos, por conta da volta da Copa do Brasil, que ocorre de forma paralela ao Campeonato Brasileiro. Serão sete jogos em 21 dias, sendo que duas das partidas, são pela Copa do Brasil.

Pela terceira fase da Copa, o Atlético enfrenta a Chapecoense, nesta quinta-feira (21), às 21 horas, na Arena da Baixada. O técnico Paulo Autuori destacou em entrevista coletiva nesta manhã (20), que participando de dois campeonatos, é contra priorizar uma competição. “Muitas vezes a gente vê exemplos, de priorização de uma competição que no fim não apresenta resultado positivo nem em um caso e nem em outro”, disse. “E, a equipe precisa estar pronta para responder positivamente no que participa”, acrescentou.

Sobre o adversário, Autuori relembrou o episódio da ‘partida dos dois dias’. “Foi uma situação atípica, de neblina e agora com o inverno sempre há risco”, disse. “Lá, porque aqui não temos esse risco, temos uma arena de altíssima qualidade”.

Ele também falou sobre a qualidade do time e do técnico adversário, Caio Junior. “Tenho amizade com ele. Ele era um jogador inteligente, quem jogasse ao seu lado tinha que acompanhar as suas tomadas de decisão. Depois reencontrei-o em Portugal em 1989/90 e depois no Qatar, ele como treinador de um clube e eu de outro”, disse.

Copa do Brasil

Paulo Autuori destacou que na Copa do Brasil, são 180 minutos para a classificação, ou seja, partidas de ida e volta.  Com isso, é ainda mais importante não tomar em casa. “É diferente porque os gols pesam”.

Também nesta manhã, o lateral-direito Rafael Galhardo, que teve passagens pelo Grêmio e pelo Anderlecht, da Bélgica, foi apresentado no time. Ele comentou que está feliz com a oportunidade. “Fui para a Bélgica no começo ano, eles estavam no meio da temporada lá, com o time encaixado e eu tive apenas uma oportunidade de jogar”, disse. “Depois teve um atentado, eu e minha esposa ficamos preocupados com a nossa segurança e logo, recebi a proposta do Atlético. Como eu queria voltar para o Brasil em um grande clube, não pensei duas vezes”.

Autuori destacou que Galhardo foi “um dos melhores laterais do Brasileiro no ano passado e que foi uma excelente aquisição para o Atlético”. “É um prazer ter o Galhardo conosco”.

Colaboração Robson De Lazzari/Rede Massa