22°
Máx
14°
Min

Com gol de alívio no final, Palmeiras bate o Rosario e Marcelo Oliveira respira

(Foto: Divulgação/Leonardo Benassatto)  - Com gol de alívio no final, Palmeiras bate o Rosario e Marcelo Oliveira respira
(Foto: Divulgação/Leonardo Benassatto)

Parecia ser uma vitória no sufoco, mas um gol no último minuto fez com que o sentimento fosse de um triunfo tranquilo. Graças a dois argentinos e o maior ídolo da torcida, o Palmeiras venceu o Rosario Central por 2 a 0, na noite desta quinta, no Allianz Parque, e o técnico Marcelo Oliveira respirou aliviado.

Com o resultado, o Palmeiras foi a quatro pontos, na liderança do Grupo 2 da Copa Libertadores. River Plate e Nacional, ambos do Uruguai, aparecem com dois. Na quarta que vem o time brasileiro volta a jogar em casa, dessa vez contra o Nacional. O River vai à Argentina pegar o Rosario.

O JOGO - Marcelo Oliveira sabia que precisava criar um fato novo para mexer com o time ou dificilmente estaria empregado no fim de semana. Assim, resolveu dar mais um voto de confiança para Cristaldo. Na defesa, outra surpresa. Com dores no joelho, Roger Carvalho foi vetado e coube ao jovem Thiago Martins, de 20 anos e que fez apenas três jogos com a camisa alviverde, a responsabilidade de tentar parar o ataque do Rosario.

Com duas novidades na equipe, uma por necessidade e outra por opção, Marcelo Oliveira jogou suas cartas na mesa e esperou. Até que por volta dos 15 minutos resolveu "entrar em campo". Levantou e foi protestar contra a não marcação de um pênalti. E não voltou mais para o seu lugar, pois começou a ver alguns problemas de posicionamento da defesa quando o time se aventurava ao ataque.

Até que seu elemento surpresa surtiu efeito. Aos 24, após Gabriel Jesus trombar com zagueiro, Cristaldo dominou a bola e todo desengonçado, conseguiu se livrar da marcação e mandou para as redes. Festa da ansiosa torcida e alívio temporário para o ansioso Marcelo.

Os jogadores fizeram sua parte e correram muito na primeira etapa, afinal de contas, um resultado ruim não seria prejudicial apenas para o treinador. O problema, porém, é que ainda tinha mais a outra metade do jogo para ser realizado.

Na etapa final, só o Rosario jogou e Marcelo Oliveira se desesperou no banco. Aos 14, Robinho fez pênalti e o clima de tragédia tomou conta do Allianz Parque. Mas Fernando Prass fez uma defesa sensacional no chute de Ruben, dentre outras grandes defesas ao longo da partida, e evitou o pior.

Marcelo mexeu e tentou fazer o Palmeiras "voltar para o segundo tempo". Parecia que seria uma vitória sofrida, até que no último minuto, Allione, que chegou a negociar com o Rosario, mas ficou justamente porque as equipes iriam se enfrentar, bateu na saída do goleiro e garantiu a primeira vitória do time na Libertadores e em casa no ano. Resta saber se iniciam novos tempos no Palmeiras.

FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 X 0 ROSARIO CENTRAL

PALMEIRAS - Fernando Prass; Lucas, Thiago Martins, Vitor Hugo e Zé Roberto; Thiago Santos (Arouca), Jean e Robinho (Allione); Dudu, Gabriel Jesus e Cristaldo (Rafael Marques). Técnico - Marcelo Oliveira.

ROSARIO CENTRAL - Sosa; Salazar, Burgos (Herrera), Pinola e Álvarez; Musto, Colman, Da Campo (Lo Celso), Cervi e Aguirre; Ruben. Técnico - Eduardo Coudet.

GOLS - Cristaldo, aos 24 minutos do primeiro tempo, e Allione, aos 48 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Enrique Caceres (PAR).

CARTÕES AMARELOS - Thiago Santos, Robinho, Allione, Gabriel Jesus (Palmeiras); Burgos (Rosario)

PÚBLICO - 36.100 pagantes.

RENDA - R$ 2.450.240,54.

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo.