27°
Máx
13°
Min

Com gols de zagueiros, Palmeiras vence de virada e afunda São Paulo na tabela

(Foto: Agência Palmeiras) - Com gols de zagueiros, Palmeiras vence de virada
(Foto: Agência Palmeiras)

O time dono do melhor ataque do Campeonato Brasileiro ironicamente chegou a mais uma vitória graças aos seus defensores. Os zagueiros Mina e Vitor Hugo garantiram a virada do Palmeiras sobre o São Paulo, nesta quarta-feira, por 2 a 1, no Allianz Parque, com dois gols de cabeça e levaram a equipe a manter os três pontos de vantagem para o Flamengo na liderança - 46 a 43. O time carioca bateu a Ponte Preta por 2 a 1 nesta mesma noite.

Os dois grandalhões podem não ser os mais badalados pela torcida em uma possível fila de autógrafos, mas viraram um jogo que se encaminhava para ser dramático. Pouco foi necessário o habitual talento de Gabriel Jesus (que entrou somente no segundo tempo) ou a velocidade de Dudu para resolver o equilibrado duelo. O Palmeiras mostrou a variedade de armas que tem para buscar o título.

Antes de o heroísmo dos zagueiros salvar o time, o São Paulo saiu na frente com Chávez, já no segundo tempo. O temor chegou a pairar no estádio por alguns breves minutos. Aí o Palmeiras achou o atalho aéreo. Uma cobrança de falta e gol do colombiano. Um escanteio e gol de Vitor Hugo.

O resultado valeu a consolidação de um lado e aumento do sufoco para o time derrotado. O São Paulo vê o risco de rebaixamento aumentar. Agora só são dois pontos a mais do que o Vitória, que abre a zona de descenso (28 a 26).

O clássico valia tanto para os times que os técnicos arriscaram contar com jogadores que na noite anterior tinham participado da rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo como titulares. O chileno Mena teve de socorrer a lateral do São Paulo ainda no primeiro tempo com a lesão de Carlinhos. O Palmeiras acionou Gabriel Jesus só no segundo tempo, quando estava em desvantagem, até para fazer valer o esforço pessoal do presidente Paulo Nobre em trazer de jatinho o atacante de Manaus.

A presença deles em campo coincidiu com um segundo tempo eletrizante. Foi o suficiente para compensar a modorrenta etapa inicial. Os quase 40 mil presentes deixaram de ver um jogo apenas de vigor físico para acompanhar também um bom futebol.

O Palmeiras entrou na arena lotada no papel de amplo favorito, por fatores como o placar agregado de 7 a 0 nas duas vitórias sobre o rival no ano passado dentro de casa. A vantagem era ampliada pelos momentos opostos vividos na temporada, com um time em lua de mel com a torcida, líder do campeonato e há cinco rodadas sem perder contra o visitante em crise, em intenso litígio com a organizada após a invasão de um treino e agressão a alguns jogadores há dez dias.

As situações distintas nortearam as posturas em campo. O Palmeiras manteve o estilo de pressionar o adversário na saída de bola nos primeiros minutos. Porém, enfrentou dificuldade com a retranca no 4-5-1 armada por Ricardo Gomes. A defesa são-paulina "enroscou" o jogo seja na marcação, ou no esforço em ganhar tempo a cada interrupção. O prêmio foi conseguir pela primeira vez passar um tempo inteiro sem levar no estádio rival, apesar de sustos e boas defesas de Denis.

A etapa final manteve o roteiro de pressão palmeirense e resistência são-paulina. Kelvin e Chávez assustavam a defesa alviverde, porém o time da casa ganhou mais opções na etapa final com Gabriel Jesus em campo e a torcida em êxtase pela virada.

FICHA TÉCNICA:

PALMEIRAS 2 x 1 SÃO PAULO

PALMEIRAS - Jailson; Jean, Mina, Vitor Hugo e Zé Roberto; Gabriel (Cleiton Xavier), Tchê Tchê e Moisés (Thiago Santos); Allione (Gabriel Jesus), Dudu e Rafael Marques. Técnico: Cuca.

SÃO PAULO - Denis; Wesley, Maicon, Rodrigo Caio (Lyanco) e Carlinhos (Mena); Hudson, João Schmidt, Thiago Mendes, Kelvin e Luiz Araújo (Daniel); Chávez. Técnico: Ricardo Gomes.

GOLS - Chávez, aos 3, Mina, aos 9, e Vitor Hugo, aos 25 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Gabriel, Chávez, Mina, Mena, Jean, Lyanco.

ÁRBITRO - Sandro Meira Ricci.

RENDA - R$ 2.742.012,06.

PÚBLICO - 39.944 pagantes.

LOCAL - Allianz Parque, em São Paulo (SP).