26°
Máx
19°
Min

De Cascavel, Caio Junior será velado em Curitiba; Duca será cremado

- De Cascavel, Caio Junior será velado em Curitiba; Duca cremado

O corpo do técnico da Chapecoense Caio Junior não será velado junto com os demais integrantes do time na Arena Condá, em Chapecó, Santa Catarina. Um velório coletivo está programado para todos os jogadores e delegação do time vítimas de acidente aéreo na Colômbia na terça-feira (29).

Todos os corpos das vítimas da queda do avião devem chegar à cidade catarinense nesta sexta-feira (2). De lá, os corpos do técnico e do auxiliar e sobrinho dele, Eduardo Duca, serão transportados para Curitiba. A decisão da transferência foi feita pela família. Caio Junior será velado na capital parananense; já Eduardo Duca será cremado. Os locais e horários ainda não foram definidos.

Biografia

Luiz Carlos Saroli nasceu no dia 8 de março de 1965. Ele vivia uma das melhores fases de sua carreira. Teve passagens pelo Paraná, Clube, Bahia, Flamengo, Grêmio, Criciúma, Vitória e Goiás. No exterior, passou por Vissel Kobe, do Japão, Al Jazira, dos Emirados Árabes, e Al-Gharafa, do Qatar.

Caio Junior começou sua carreira como jogador nos times de base de Cascavel, mas a fase profissional veio no Grêmio na década de 1980. No ano de 1987, Caio Junior atuou no Grêmio e sagrou-se campeão. Depois, foi para Portugal, onde também teve boas atuações.

Já na década de 1990, Caio Junior decidiu voltar para o Brasil e assinou com o Internacional. Porém, a passagem pelo time gaúcho durou pouco. Cerca de um ano depois, voltou para Portugal, desta vez, atuando pelo Belenenses.

Não teve boas performances e, diante, da atuação pagada, retornou pelo Brasil e jogou em Novo Hamburgo, em 1996 e no ano seguinte pelo Paraná Clube.  

Caio Junior pendurou as chuteiras em 1999, quando recebeu o convite para ser treinador do Paraná. No entanto, seu nome ganhou projeção nacional em 2005, como técnico do Cianorte. Isso porque a equipe do Noroeste do Paraná conseguiu vencer o Corinthians em um dos jogos da Copa do Brasil.

Provou sua competência um ano mais tarde, quando conseguiu levar o Paraná Clube para a Copa Libertadores da América. Em 2006, assinou com o Palmeiras, também conseguindo o mesmo feito com o verdão da capital paulista. Naquele ano, ganhou o prêmio de melhor técnico do Campeonato Brasileiro, na premiação da CBF.

Logo depois, comandou o Goiás e o Flamengo. Em 2009, foi ao Japão e atuou como treinador do Vissel Kobe. Em seguida, acertou com o Al-Gharafa, do Qatar.
A partir de 2011, Caio Junior voltou para o Brasil e acertou com a diretoria do Botafogo e, depois, Grêmio. No time gaúcho ficou apenas dois meses e foi demitido em fevereiro de 2012.

Voltou para o exterior e levou o Al Jazira à segunda fase da Liga dos Campeões da Ásia, feito inédito. Em julho, voltou para o Brasil e foi contrato no Bahia. Em maio de 2013, conquistou seu primeiro título brasileiro como técnico, no campeonato baiano, no comando do Vitória. Antes de assumir a Chapecoense em 25 de junho de 2016, estava nos Emirados Árabes, como técnico do Al-Shabab.

Colaboração: Cristiane Guimarães/Rede Massa.