26°
Máx
19°
Min

Dia conturbado no Atlético-PR: diretor demitido; Walter negociado e Vinícius afastado

(Foto: Divulgação/Atlético-PR) - Dia conturbado: diretor demitido; Walter negociado e Vinícius afastado
(Foto: Divulgação/Atlético-PR)

Poucas pessoas imaginariam que esta quarta-feira (18) seria um dia tão conturbado no Atlético-PR. O atacante Walter está sendo negociado com o Goiás, o meia Vinicius foi afastado e o diretor de futebol do clube, Paulo Carneiro, foi demitido do Furacão.

A começar pelo atacante, o time da Baixada anunciou que o time goiano apresentou uma proposta e o jogador gostou. “O Goiás entrou em contato com o Walter, que manifestou o desejo de ir”, afirmou o presidente do clube, Salim Emed, em entrevista para a rádio Transamérica.

No entanto, o próprio atleta desmentiu a afirmação e deixou claro, também em entrevista para a rádio, que não tinha interesse de sair. “Eu estava de titular e voltei a marcar gols. Eu não precisava sair do Atlético-PR. Não chegou nada pra mim, não esperava, fiquei surpreso. Mas não é minha culpa”, afirmou Walter.

A verdade é que a negociação já está praticamente fechada e Walter deve se apresentar no clube goiano entre esta sexta e este sábado. Salim Emed afirmou que o clube vai buscar outras opções. “Não é simples de repor, pois o Walter é diferenciado. Ele não pediu para sair”, afirmou, durante a entrevista.

Outro que quase saiu foi o jogador Vinicius. Segundo o presidente, o meia não correspondeu às expectativas da diretoria e descartou que o afastamento aconteceu por briga ou indisciplina. A partir de amanhã, Vinicius vai treinar em separado e o Atlético-PR vai buscar outro clube para o atleta. O jogador teria recebido propostas do Vasco e do Goiás, mas teria se recusado a jogar por esses clubes.

Por fim, Paulo Carneiro foi demitido do Furacão depois de 1 ano e cinco meses à frente do futebol atleticano. Segundo o presidente, a demissão não tem relação com as saídas de Walter e o afastamento de Vinícius. “Foi uma decisão da diretoria, foi algo estratégico”, pontuou Salim Emed.