27°
Máx
13°
Min

Em São Januário, Vasco bate o Brasil-RS por 2 a 0 e é líder isolado da Série B

(Foto: Divulgação/Vasco) - Em São Januário, Vasco bate o Brasil-RS por 2 a 0 e é líder isolado
(Foto: Divulgação/Vasco)

O Vasco venceu o Brasil, de Pelotas (RS), por 2 a 0, neste sábado, no estádio de São Januário, no Rio, pela 15.ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o time carioca segue na liderança da tabela de classificação com 31 pontos, agora de forma isolada. O clube gaúcho continua com os mesmos 22 pontos, na sétima colocação.

Após erros individuais nas últimas rodadas, o Vasco mostrou que quer ser o protagonista da Série B do Brasileiro. Desde o início, o clube de São Januário levou perigo ao gol do Brasil-RS. Aos 9 minutos, abriu o placar com chute de Nenê. Depois, administrou a partida e quase levou um gol em um lance atrapalhado de sua defesa no primeiro tempo, no qual Luan acabou salvando. Com a limitação do adversário, os vascaínos não foram muito incisivos, mas resolveram bem o jogo. Em uma jogada ensaiada, Luan fechou o placar em São Januário.

O Brasil-RS não ofereceu perigo durante quase toda a partida. Na volta do intervalo, os gaúchos tentaram imprimir um ritmo intenso marcando a saída de bola do Vasco, mas o gol de Luan acabou desanimando a equipe, que se fechou para evitar mais gols.

O JOGO - Aos 4 minutos, Rodrigo cobrou com excelência uma falta pela direita e quase abriu o placar para o clube do Rio. O goleiro Luiz Muller fez bela defesa e espalmou para escanteio. O Vasco continuou dominando a partida e não demorou a fazer seu primeiro gol. Aos 9, Thalles escorou de cabeça para Nenê, que dominou bem, invadiu a área e bateu cruzado para o fundo das redes.

Apesar da pressão vascaína, o Brasil-RS chegou aos 21 minutos com muito perigo. Weldinho conseguiu evitar a saída de bola e cruzou na área. Felipe Garcia finalizou, a bola rebateu nos zagueiros do Vasco e encontrou a trave caprichosamente. No rebote, o atacante Ramon hesitou de frente para o gol e Luan afastou o perigo em cima da linha.

Após os lances mais contundentes, o jogo ficou morno e amarrado. O clube de São Januário administrou a vantagem, não arriscou muito e neutralizou os avanços do adversário.

Na volta do intervalo, o Brasil-RS tentou reverter o placar. Logo no início, duas jogadas levaram perigo ao gol do goleiro Jordi. O clube gaúcho continuou tentando pressionar o adversário marcando a saída de bola, mas esbarrou na sua própria limitação técnica.

Aos 19 minutos, o árbitro tocantinense Alisson Sidnei Furtado passou por uma situação inusitada. Após cruzamento de Nenê, a bola bateu na mão de Washington, dentro da área, mas o jogador estava com o membro colado ao corpo. No primeiro momento, Furtado marcou pênalti. O auxiliar chamou a atenção do juiz, que reverteu a sua decisão e anulou a penalidade.

Aos 26 minutos, o Vasco selou o destino da partida. Após levantamento na área de Nenê, o zagueiro subiu livre e recebeu a bola em boa condição dentro da área. De primeira, chutou forte para marcar o segundo gol do time carioca. Aos 46, Andrezinho levou um cartão amarelo. Junto com Nenê e Madson, que também foram advertidos pelo árbitro, não joga na próxima rodada.

Até o final, os vascaínos administraram a vantagem e, sem ser ameaçados pelo Brasil-RS, venceram merecidamente em São Januário.

FICHA TÉCNICA

VASCO 2 x 0 BRASIL-RS

VASCO - Jordi; Madson, Luan, Rodrigo e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Henrique (Yago Pikachu), Andrezinho (Diguinho) e Nenê; Caio Monteiro (William) e Thalles. Técnico: Zinho (auxiliar).

BRASIL-RS - Luiz Muller; Weldinho, Camilo, Teco e Marlon; Leandro Leite, Washington, Nem (Clébson) e Diogo Oliveira (Nathan); Felipe e Ramon (Nena). Técnico: Rogério Zimmermann.

GOLS - Nenê, aos 9 minutos do primeiro tempo; Luan, aos 26 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Madson, Nenê e Andrezinho (Vasco); Weldinho e Marlon (Brasil-RS).

ÁRBITRO - Alisson Sidnei Furtado (TO).

RENDA - R$ 112.005,00.

PÚBLICO - 3.477 pagantes (4.162 no total).

LOCAL - Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro (RJ).