22°
Máx
16°
Min

Fifa multa CBF por comportamento homofóbico da torcida em jogo da seleção

A Fifa multou a CBF em 20 mil francos suíços (aproximadamente R$ 66 mil) por conta do comportamento de sua torcida em jogos das Eliminatórias para a Copa do Mundo ao entoar gritos homofóbicos. O anúncio foi feito nesta terça-feira pela entidade que, além do Brasil, multou e adotou punições contra outras dez federações.

Essa foi a primeira vez que a entidade internacional adota uma sanção dessa natureza contra o Brasil, ainda que ativistas de direitos humanos continuem a acusar a Fifa de impor uma pena "simbólica", com valores baixos. O caso brasileiro se referiu à partida contra a Colômbia, em Manaus no dia 6 de setembro. A torcida foi identificada gritando "bicha" para o goleiro adversário.

Pressionada diante da Copa do Mundo na Rússia em 2018, a Fifa quer demonstrar que está agindo contra o racismo e discriminação. Na semana passada, porém, o presidente da entidade, Gianni Infantino, decretou o fim de um grupo de trabalho que havia sido criado para lutar contra o racismo no futebol, alegando que os especialistas haviam "atingido seus objetivos".

Agora, a entidade quer mostrar que está agindo e pela primeira vez pune o Brasil.

Segundo ela, procedimentos disciplinares também haviam sido abertos contra Honduras, El Salvador, México, Canadá, Chile, Argentina, Paraguai, Peru, Itália e Albânia, entre outros.

Cada uma delas teve de pagar uma multa. A pena chegou a 65 mil francos suíços (R$ 213 mil) por dois casos envolvendo a seleção de Honduras, enquanto a Albânia foi multada em 50 mil francos (R$ 164 mil). El Salvador teve de pagar 45 mil francos (R$ 148 mil), contra 30 mil (R$ 98 mil) para a Itália, México e Peru. A punição ao Paraguai foi de 25 mil (R$ 92 mil), mesma taxa cobrada da Argentina. A menor das multas foi dada ao Brasil que, assim como o Canadá, pagará 20 mil francos.

A maior das penalidades foi imposta contra o Chile que, depois de já ter sido multado, voltou a cometer infrações e agora não poderá disputar o jogo do dia 28 de março contra a Venezuela no Estádio Nacional, em Santiago. Os chilenos ainda terão de pagar mais 65 mil francos (R$ 213 mil) em multa. "Torcidas mostraram uma conduta discriminatória ou antidesportiva, chegando a entoar cantos homofóbicos em alguns casos", explicou a Fifa.

Para chegar às multas, a entidade disse ter avaliado os informes dos árbitros, a postura da federação, assim como as observações de grupos que monitoram o comportamento dos torcedores.

A Fifa também indica que, em alguns casos, foi levado em conta fatores "atenuantes", como o esforço de federações para criar a consciência entre seus torcedores para se evitar atos discriminatórios.